• Guilherme Moro

Mamonas Assassinas ganha releituras inusitadas no EP “Very Crazy”

Por: Kélita Myra / Agosto de 2021


“Subversão” sempre foi uma palavra inerente aos Mamonas Assassinas. Mesmo carregados de ironia e bom humor, o grupo não deixava passar uma oportunidade de bagunçar a ordem ou provocar os conceitos musicais em sua rápida e marcante obra, referência para toda uma geração que era criança ou adolescente nos anos 90.



E agora o espírito irreverente do grupo de Guarulhos volta à tona com as releituras mais que inusitadas dos clássicos “Pelados em Santos”, “Vira-Vira” e “Robocop Gay” no EP “Very Crazy”, com produção musical da dg3 Music e lançamento global pela Universal Music Brasil. Os artistas selecionados para dar nova vida às pérolas dos Mamonas - e suas releituras - são surpreendentes.


O cantor Buchecha, um fera no suingue carioca, se uniu ao MC Koringa e entregaram um belo jazz para “Pelados em Santos”. Sim, falamos em jazz!! A música ganhou uma versão tão envolvente quanto emocionante, uma história de amor divertida, embalada por pianos, metais, groove e coro, digna de qualquer clube de jazz pelo mundo.



Já os cantores Ivo Meirelles e Anderson Leonardo (do grupo Molejo) injetaram ainda mais bom-humor em “Vira-Vira” e a levaram para o meio da roda de samba. A “música da suruba” já começa com os astral lá em cima e vai ganhando balanço a cada estrofe, num surpreendente partido-alto com uma interpretação irreverente e bem carioca de Anderson e Ivo. Há se os meninos dos Mamonas estivessem aqui para ver o quão diversificada sua música se tornaria!


O novo álbum digital, cujas versões foram aprovadas – e elogiadas – pelos herdeiros e o produtor original da banda (Rick Bonadio), encerra com um remix futurista de “Robocop Gay” na voz dos próprios Mamonas, um hino dos anos 90 carregado de humor e inclusão, muito antes do tema “Diversidade” se tornar assunto tão discutido e proclamado. O EP contém duas versões do remix, uma completa (extended) e outra mais curta (edit), para fãs de todos os níveis; ambas têm produção musical, programação e remixes assinadas pela turma da dg3 Music, comandada por David Gomes.


“Nossa intenção foi fazer um versão eletrônica para pista de dança, divertida e livre de preconceitos, mantendo o espírito alegre dos Mamonas. Como o tema da canção é bastante sensível, apresentamos o trabalho para diversas pessoas do segmento LGBTQIA+ e todos aprovaram o resultado”, conta David.


O DJ e produtor sempre foi muito fã dos Mamonas Assassinas e as músicas da banda não faltavam em seus sets. A ideia da homenagem surgiu após David ler uma matéria sobre artistas que, infelizmente, faleceram no auge do sucesso. “Isso coincidiu com os 25 anos do acidente que os vitimou e resolvemos, então, fazer esse tributo”, explica ele, referindo-se à trágica queda do avião que levou a banda, durante um vôo na Serra da Cantareira, em São Paulo.


O produtor, então, se debruçou sobre as músicas e as possibilidades de uma homenagem diferente em “Very Crazy”. De um projeto anterior de releituras jazzy de músicas brasileiras, veio a ideia de “Pelados em Santos”. “Quando mostramos o arranjo jazz para Bochecha e Koringa, parceiros de outras produções aqui na dg3, eles adoraram e toparam na hora”.


“Participar deste projeto e defender uma canção tão marcante em minha vida. É um misto de emoção e saudades gigantes, pois me fez recordar do único show que assisti dos Mamonas, no Mauá de São Gonçalo em 1995, e é até hoje o melhor show que pude assistir; eles tinham uma energia única e, sinceramente, foi uma responsabilidade tremenda cantar ‘Pelados em Santos’ neste novo formato sem deixar de lado a irreverência exclusiva da banda nos palcos e nas músicas!”, conta Bochecha.


“Foi uma oportunidade incrível e que serei eternamente grato. Ainda mais ao lado do meu amigo Buchecha e em uma versão totalmente diferente do original e também diferente do que costumo fazer. Quando recebi o convite da DG3 eu disse, me belisca para ver se estou sonhando. Os Mamonas Assassinas estarão eternamente em nossos corações”, diz Koringa, que já dublou o vocalista num quadro do programa do Rodrigo Faro.


Já o arranjo de “Vira-Vira” foi criado em samba. “Eles ouviram e sugeriram o Ivo Meirelles, que também aceitou na hora. A cereja do bolo foi o Anderson, que adorou a ideia e, por seu jeito irreverente e brincalhão, deixou a música com o espírito dos meninos dos Mamonas”, completa David. “Foi simplesmente maravilhoso gostei muito até porque o mamonas foi referência da minha geração”, diz Anderson “Molejão”. “Queria aproveitar para agradecer ao Jorge Santana, primo do Dinho e gestor da marca dos Mamonas, pelo apoio, parceria e confiança”, completa David.


Um dos grupos mais populares e de sucesso meteórico no Brasil, os Mamonas Assassinas lançaram seu único álbum de estúdio em junho de 1995; eram amados por fãs de várias idades, de crianças a adultos, todos conquistados pelo som, humor e ironia de Dinho, Bento, Julio, Samuel e Sergio. Assim os fãs os chamavam – pelo nome –, de tão conectados que eram com suas músicas e atitudes, muito antes da existência de redes sociais. O grupo vendeu quase 2 milhões de cópias do álbum “Mamonas Assassinas” e teve a vida interrompida pelo acidente nove meses depois, em março de 1996.


Os Mamonas deixaram muita saudade e a certeza de que a música brasileira pode e deve seguir subvertendo qualquer ordem – porque a arte não precisa ter regras nem legenda, e sim bom gosto e diversão.

 

Informações gentilmente cedidas por:

Universal Music Brasil : Departamento de Imprensa e Comunicação / PR