top of page
  • Guilherme Moro

"Fruto Proibido", da Rita Lee, ganha edição comemorativa em vinil

Por Guilherme Samora

“Dance, dance, dance/ Gaste um tempo comigo/ Não, não tenha juízo/ Dê-se ao luxo de estar sendo fútil agora”. É assim que Rita Lee, deliciosamente, convida a gente para experimentar seu “Fruto Proibido”, que ganha edição especial pela Universal Music. A reedição tem vinil rosa e toda a arte original, com direito a capa dupla e tudo. O disco, que chegou às lojas em abril de 1975, partiu de um convite de João Araújo para que Rita fizesse sua música sem qualquer intervenção.



Descontente com as interferências da gravadora anterior em “Atrás do Porto tem uma cidade”, seu LP de 1974, Rita e seu grupo de apoio, o Tutti Frutti, mais que depressa toparam a missão de fazer o “roquenrou” como bem quisessem. Rita fez a direção musical em uma casa emprestada, à beira da represa de Ibiúna, onde morou por alguns meses com os integrantes da banda – e com suas duas cobras – para os ensaios. O inglês Andy Mills, ex-técnico de som de Alice Cooper, também morava com eles e pilotou a produção do disco. A gravação foi no estúdio Eldorado, na rua Major Quedinho, centro de São Paulo.

O resultado é um ousadíssimo LP, cheio de temas femininos. Um claro recado à turma que repetia para ela que “para fazer rock tem que ter ‘culhão’”. E os machistas da época tiveram que engolir o preconceito e curvar-se àquele disco de capa rosa. Como cantava Rita logo na segunda faixa: “Agora Só Falta Você”. O claro convite à liberdade na letra de um dos hits do disco veio para ficar gravado na imagem da roqueira que faz tudo o que quer fazer.

Boa parte do rock Brasil, na época, apontava para o progressivo. Rita, livre que sempre foi, flertava com o glam, com o classic rock, com o blues, com as guitarras, com os violões acústicos e com o minimoog. Inclusive, o sintetizador ganha lugar de destaque na foto da capa, com a ruiva bela e esvoaçante na sala de jantar da casa dos pais, na Vila Mariana. Tudo em frente à penteadeira de sua avó, herdada pela mãe e que hoje está com Rita.



Rita assina todas as composições. Metade delas, sozinha. E, pela primeira vez, músicas da roqueira em parceria com Paulo Coelho foram gravadas. O blues dolorido “Cartão Postal” é um lado B que virou clássico e está entre os favoritos dos fãs. “O Toque”, esotérica-cósmica-viajante, traz Rita cantando que “o universo segue o rumo que todos nós escolhemos”. Mas, foi com “Esse Tal de Roque Enrow” –­ e a história de uma mãe falando ao psiquiatra sobre a obsessão da filha com aquele tal de roque – que conquistou a garotada, as rádios e a TV. A música fez parte da trilha sonora da novela “Bravo!”, da Rede Globo, ao lado de “Agora Só Falta Você”. Duas de uma vez só!

A qualidade das composições e da gravação, o brilho da voz de Rita – cada vez mais forte e mais longe da delicadeza de seus vocais nos Mutantes – e a rebeldia irreverente da roqueira maior conseguiram a proeza de colocar o underground na lista dos mais vendidos. “Comer um fruto que é proibido/ Você não acha irresistível?” ecoa Rita, num vocal urgente, desafiador, vivo, impossível de se tentar chegar perto. Isso em plena ditadura militar. “Pirataria”, de Rita e Lee Marcucci, baixista da banda e que seguiria com ela por anos, é outra ousadia contra censores, censuras e contra o establishment. “Quem falou que não pode ser?/ Não, não, não/ Eu não sei por quê/ Eu posso tudo, tudo”.


Ao experimentar o primeiro grande sucesso de público, Rita segue com o Tutti Frutti em turnê, com ingressos esgotados pelo Brasil todo, sendo também a atração principal do Festival de Saquarema (1976). E é em “Luz Del Fuego”, a penúltima faixa do disco, que Rita se apresenta, brinca com o que pensam sobre ela e reafirma a mulher que é. Doa a quem doer. Alegre a quem alegrar: “Eu hoje represento a loucura/ Mais o que você quiser/ Tudo que você vê sair da boca/ De uma grande mulher/ Porém, louca!”.

Dando o tom do começo ao fim, a rebeldia da estrela dos cabelos vermelhos termina o disco da maneira mais impactante possível, com “Ovelha Negra”. O maior hino aos diferentes é também o maior hit do disco. Chegou entre as mais tocadas das rádios naquele ano e virou clipe no Fantástico. Inclusive, foi numa rádio que tocava majoritariamente música caipira que o pai de Rita, Charles, ouviu seu exposed musical pela primeira vez. E foi tirar satisfação com a filha.

A influência de Rita, a partir dali, virou tema recorrente entre os censores da ditadura no Brasil, que iniciaram uma marcação ainda mais cerrada em cima dela. Pelo público, ela foi abraçada. E tornou-se a padroeira das ovelhas negras, a maior estrela do rock brasileiro de todos os tempos.

bottom of page