top of page
  • Guilherme Moro

Entrevista: Make U Sweat aposta na sonoridade tech house de "Pepperoni", seu mais recente single

A música eletrônica possui uma vasta legião de fãs pelos quatro cantos do mundo e no Brasil, não é diferente.



Um dos mais notáveis grupos do gênero em nosso país é o Make U Sweat, formado por três DJ's de primeiríssima qualidade e que realiza abordagens autorais em suas canções, além de releituras de clássicos da música brasileira e internacional.


O mais recente lançamento do trio se chama "Pepperoni", uma faixa agitada que possui elementos que não se prendem ao digital, adicionando bateria e baixo no contexto geral do som, o que traz uma riqueza melódica muito interessante.



O single segue a a linha de tech house, já abordada pela trupe em outros lançamentos e além disso, tem como grande destaque as vozes sampleadas, que formatam o ritmo e cadência da melodia.


"'Pepperoni' é um single com batidas marcantes. Tem bateria, baixo e segue a linha de tech house que também usamos em “Miami Yummi”, nosso último lançamento. O segredo vem nos samples vintage de voz, que dão o ritmo adequado à música. Estamos super felizes com o resultado e com o feedback da galera", revela o trio.


Com dez anos de estrada, o Make já conquistou as pistas mais badaladas do país pela energia e excepcionalidade que transmitem no palco.



Pioneiros em fazer versões house music de clássicos da música brasileira, o trio de DJs ostenta e parcerias de sucesso ao lado de nomes consagrados como Lulu Santos, em “Tempos Modernos” e “Toda Forma de Amor”; “Não Quero Dinheiro” e “É Proibido Fumar”, com Tiago Abravanel; “Lágrimas e Chuva”, com Toni Garrido; “Mulher de Fases”, com Digão do Raimundos; “Eva”, com Felipe da Banda Eva; e a mais recente “Exagerado”, de Cazuza, com George Israel.


Sobre a crescente pela demanda de música eletrônica no Brasil, ocasionando em festivais, faixas no topo das paradas e artistas ocupando os primeiros lugares, eles afirmam:


"A pandemia foi um impulsionador para que a música eletrônica fosse mais consumida, porque o entretenimento ficou mais em destaque do que nunca. Notamos isso diariamente, sabe? As redes sociais proporcionam isso um contato mais próximo com o público e com quem queremos alcançar. É incrível acompanhar como a música eletrônica vem quebrando barreiras e alcançando espaços antes pouco explorados ou imaginados, como por exemplo, as músicas cantadas em português. Estamos apresentando, cada vez mais, esse gênero a públicos diferentes e é demais isso".



Ah, e falando em festivais, este é um assunto que o grupo conhece muito bem, já que possuem passagens pelos maiores do Brasil e do mundo, como Rock in Rio, Ultra Music Festival Brasil, Réveillon Celebration, Festa do Patrão, Surreal Brasília, Camarote Salvador, Camarote Número 1.


Todo o conhecimento arrecadado pelo grupo neste ripo de evento foi resumido em uma própria festa criada pelo trio, a #PutaFarra, que teve passagens de sucesso por São Paulo, Belo Horizonte, Brasília, Fortaleza, Rio de Janeiro e Florianópolis, proporcionando mais de 10 horas de música ininterruptas para mais de 40 mil pessoas.


"A Puta Farra é aquela festa que transforma a noite em dia (risos). Foi a maneira que encontramos de mostrar ao público brasileiro o que somos e foi uma oportunidade de transmitir nossa energia e a nossa vibe. Esperamos retornar com esse evento incrível em breve", afirmam.


Com características próprias e muito bem definidas ao som, eles ainda revelaram detalhes sobre o processo criativo:


Fazemos tudo a seis mãos. Geralmente a escolha dos remakes e remixes acontece naturalmente. Sempre trazemos ideias e entramos num consenso. Em relação à timbragem, tentamos ao longo dos nossos 10 anos de estrada, encontrar uma identidade sonora para o Make U Sweat. Nossas músicas quase sempre têm guitarras funkeadas. Gostamos de brass shots e baixos com um drive característico. Quando vamos remixar, trazemos esses complementos para a track em questão", finalizam.



bottom of page