• Guilherme Moro

Entrevista: Laura Zandonadi fala sobre EP "A Voz de Alguém"

Inspirada pelo universo feminino, Laura Zandonadi dá luz ao seu novo trabalho, intitulado “A Voz de Alguém”, com três composições de grandes nomes da música brasileira. O EP é fruto de um processo de debate sobre novos olhares para cada uma das canções escolhidas: “Alguém Cantando” (Caetano Veloso), “Água” (Djavan) e “A Menina Dança” (Moraes Moreira/Galvão).

"Duas músicas desse EP já faziam parte do meu repertório. São músicas que eu já tinha grande familiaridade e quando eu resolvi fazer regravações, elas me vieram como músicas que ficariam interessantes. Djavan é um dos meus compositores favoritos e não poderia ficar de fora desse projeto. Mergulhei na obra dele. Fui ouvindo permitindo-me sentir.

A capa do projeto não poderia ser diferente: intensa, intimista e leve. Tudo isso é transmitido em somente uma foto, simples, mas cheia de coração

“Todo o processo desse trabalho foi intuitivo. Eu fiz as fotos com a Juliana Ramos, que é uma grande fotógrafa aqui do Rio, e eu sabia que dentro desse ensaio eu teria a capa. Não foi algo pensado, mas eu tinha certeza que seria um ensaio com fotos maravilhosas. Essa foto me impactou muito. Ela passa minha intimidade e o meu momento”, diz Laura.


Foto de capa do EP "Voz de Alguém"

Produzido por Thaizinho Costa, o EP foi elaborado em home office. Laura falou sobre como iniciou os arranjos deste trabalho:

“Para produzir e arranjar esse projeto eu convidei o Thaizinho Costa, que é um baixista que me acompanha há quase 18 anos e é um cara que me entende demais. Confio muito no trabalho e no talento dele. Eu fiz a escolha das músicas, mandei pra ele e o deixei à vontade para pensar no que ele gostaria de imprimir naqueles arranjos. Mandei algumas referências de sonoridades que eu gosto e chegamos no consenso de fazer arranjos jazzísticos para as faixas. A pré produção foi feita em home studio. O maior desafio foi com a faixa “Menina Dança”, que foi muito difícil de fugir da música original".

Há duas semanas, após dois anos de pandemia, Laura retornou aos palcos em uma casa que conhece muito. Ela comentou sobre a emoção de estar novamente em contato com o público:

"Estou muito feliz de voltar em um momento ainda difícil. Participar dessa retomada cultural aqui em Niterói, dentro de todos os cuidados necessários nesse momento, é muito especial pra mim. No Municipal de Niterói foi onde eu lancei meu primeiro álbum em 2013. Foi um retorno artisticamente incrível".


Com o intuito de problematizar a relação das mulheres com elas mesmas, independente da origem poética das canções, porém de maneira reforçada ao compreender seus contextos, a obra a vida e a arte, jamais dissociadas. Um percurso que se faz necessário e urgente. Entender a relevância das pontes, conexões e intercessões entre os universos ditos femininos e masculinos se mostra indispensável para a evolução, revolução e enriquecimento dos novos tempos.


Foto: Juliana Ramos
Foto: Juliana Ramos

"Eu espero sempre que esse EP toque o coração das pessoas e que sejam aquelas músicas que as pessoas ouçam durante o dia e que passam uma sensação boa e gostosa. Espero também que passe por uma nova fase da minha carreira, com mais maturidade musical e um reencontro comigo também. Hoje sou uma mulher mais madura e canto desde os 16 anos. Há muito tempo eu estava nessa expectativa de mostrar uma versão nova de mim mesma e ir em busca de novos caminhos", finaliza a cantora.