top of page
  • Foto do escritorGuilherme Moro

Primeiro dia do Rock in Rio Humanorama é recheado de diversidade e conexões

O Rock in Rio Humanorama chegou em sua segunda edição online e faz sua estreia no presencial. O público do primeiro dia do festival de conversas teve acesso a debates sobre um mundo melhor com muita empatia. Além disso, foram destaques os papos sobre saúde mental, educação, pluralidade, diversidade e longevidade.

=



“O Humanorama é o nosso “espetáculo do humano”, e a oportunidade de darmos palco à humanidade que reside em cada um de nós. Neste primeiro dia, pudemos vivenciar conversas um ambiente de escuta, fala e colaboração dando a oportunidade de amplificarmos o nosso repertório e reforçar a empatia que precisa estar presente cada vez mais nas relações pessoais. Seguimos com grande expectativa para os próximos dias. Nesse ano, com o presencial, estamos confiantes nas trocas e conexões mais aproximadas e animados com o compartilhamento de conhecimento que o Humanorama vai nos proporcionar”, comemora Agatha Arêas, VP de Learning Experience do Rock in Rio.

Nas mesas online, a vice-presidente Executiva do Rock in Rio, Roberta Medina, Kiran Sethi, educadora indiana e Mic Aisenberg, curadora de conteúdo do Humanorama começaram a programação do dia falando sobre um mundo melhor e ensinaram que o verdadeiro poder de transformação está na capacidade de pensar e agir de forma diferente. Já Thiago Oliveira, Camila Appel e Ana Claudia Arantes falaram sobre empatia. “Eu sempre insisto que a empatia é um passo em direção aquilo que você precisa de fato fazer que é a compaixão e permanecer no seu lugar, de quem ajuda. Não ocupar o lugar de quem atrapalha”, disse Ana Claudia.

Logo depois, Angelica, Leticia Lanz e Fernando Luna formaram o painel sobre as transformações que passamos quando estamos vivos e falaram a respeito das novas descobertas e caminhos que vêm com as grandes mudanças. Quem acompanhou a conversa entre Tipiti Simonsen, Fayda Belo, Dani Diniz e Thiago Amaral conseguiu entender melhor sobre as mudanças de nosso vocabulário e o quanto ele pode ser usado para a inclusão. “Precisamos compreender que a sociedade é mutante e da mesma forma que nós evoluímos, juntamente os nossos termos e vocábulos, a forma como tratamos o outro também é mutante. Precisamos refletir para poder viver com o outro de uma maneira mais empática”, alertou Fayda.

Após essa conversa sobre a fala, a escuta virou pauta. Christian Dunker e Cláudio Thebas abordaram a escuta como forma de mudar o mundo. Christian deu dicas para melhorar a escuta. “O primeiro passo para a escuta de si é a reconexão com si. Como sou nesse momento? Como estou nesse momento? É muito importante para não começarmos uma viagem de escuta excessivamente orientado direcionada para o outro, o que levaria a gente para um processo de ‘desescutação’”. Em um painel sobre saúde, Vera Cordeiro e Aisha Paz abordaram o tema de forma incomum e discutiram sobre um conjunto completo de bem-estar mental, físico e social. Dra. Vera alertou que, muitas vezes, a real causa da doença tem origens sociais, “O bem-estar biopsicosocial é a definição de saúde”, afirmou a médica.



No evento presencial, que acontece no Learning Village, em São Paulo, a abertura e o comando da programação ficaram por conta dos MCs Dante Freitas e Renan Hannouche. O festival iniciou com Sandra Annenberg, Gavi, Maria Gal e Viviane Elias, que participaram da conversa “Diversidade é Condição para Inovação”. Sandra Annenberg destacou a importância de um time diversificado: “uma equipe diversa tem tanto para contribuir, cada um tem tanta história para levar para aquela equipe e fazer com que você para e pense “nossa, eu não tinha ideia que isso existia”. Um mundo se abre”. Logo depois, foi a vez de Luis Justo, CEO do Rock in Rio, participar da conversa “O que você faz para viver, te faz se sentir vivo?” com Carla Carvalho Dias, Celso Barbosa e Luiz Calainho.

Já Marcelo Tas, Guilherme Terreri (Rita Von Hunty) e Cythia Martins formaram o painel “Que narrativa você quer criar pro seu mundo?”. Em frente a uma engajada plateia, Marcelo Tas incentivou o público e destacou: “existe uma força em você reconhecer a fragilidade, é a coragem". Fechando o dia, no chamado Laboratório do Humano, aconteceu mais uma conversa que motivou os presentes, Ligia Miranda e Andrea Magit falaram sobre “Descubra os Seus Superpoderes” e compartilharam muito conhecimento.

Ao longo do dia, pautas dos mais diversos assuntos também acontecerem no Rock in Rio Humanorama, entre elas: “Envelhecer é a melhor opção”, “Metaverso, neurociência e o impacto no que somos e sentimos”, “A cultura como software atualizador de futuros” e “Confiança como valor e cultura organizacional”, com as paticipações de Mona Rikumbi, Yuri Fernandes, Carla Tieppo, Anna Flávia Ribeiro, Fernanda Paiva, Denise Chaer e Ricardo Vandré

O espaço bar de networking com encontros improváveis contou com muita gente diferente e gerou conexões improváveis e muito enriquecedores. As mentorias de carreira também dominaram o Learning Village no dia 28. Apresentação do Duo formado por Bruna Black e Jota.pê f, o ÀVUÀ, foi um show a parte e divertiu o público presente.

Amanhã, o evento online conta com uma conversa imperdível com a participação de Renata Ceribelli sobre “Revolução 50+” destacando o empoderamento feminino em uma conversa feminista com a atriz Suzana Pires. E, fechando o dia, um papo sobre a potência da favela com a presença de Zé Ricardo, Neguebites e MC Carol. Pelo segundo ano consecutivo, o Rock in Rio Humanorama será transmitido através da TM1 Live Streaming, premiada plataforma de streaming de eventos que oferece uma série de recursos customizados, como salas de transmissão simultâneas, área de workshops, facilidade de acesso aos conteúdos e ferramentas de acessibilidade e interação entre os usuários.

No presencial, nomes como Samuel Souza, Mariana Rico, Gustavo Glasser, Raquel Virginia, , Mariana Moraes estarão presentes no Learning Village para mais um dia de intensas trocas com o público presente.

Sobre o Rock in Rio Humanorama

O Rock in Rio é tanto uma plataforma de comunicação quanto um veículo de emoções e causas. Temos o compromisso de ajudar a construir um mundo melhor, não apenas por meio da música e do entretenimento, mas também por causas sociais e ambientais.

Rock in Rio Humanorama é a lente que traz a visão e os valores do festival para a conversa que acontece além das fronteiras da Cidade do Rock.

Um projeto da Unidade de Aprendizagem do Rock in Rio, tentamos ajudar as pessoas a verem seu papel no mundo de uma forma diferente: com a atitude Rock in Rio.

Ao convidar nosso público a refletir sobre questões urgentes em nossa sociedade, gerando conversas e movimentos, também os conectamos com o espírito do tempo.

Sobre o Rock in Rio

O Rock in Rio foi criado para dar voz a uma geração e promover experiências únicas e inovadoras. Em 1985, o evento foi responsável por colocar o Brasil na rota de shows internacionais. Batendo recordes de público a cada edição e gerando impactos positivos nos países onde é realizado, se consagrou como o maior festival de música e entretenimento do mundo. Consciente do poder disseminador da marca, hoje o Rock in Rio pauta-se por ser um evento com o propósito de construir um mundo melhor para pessoas mais felizes, confiantes e empáticas num planeta mais saudável.

A internacionalização da marca começou por Portugal, Lisboa, em 2004, onde o evento acontece até hoje, seguido por Espanha (Madri) e pelos Estados Unidos (Las Vegas). No Rock in Rio, os números não param de crescer. Pelas Cidades do Rock já passaram mais de 10 milhões de visitantes nestas 21 edições. Em 37 anos, o festival ganhou o mundo e tornou-se um verdadeiro parque de experiências, mas muito além disso, cresceu e ampliou a sua atuação, sempre com o olhar no futuro.

Adotando e incentivando práticas que apoiam o coletivo, o Rock in Rio preza pela construção de um mundo melhor e se une a empresas que possuem este mesmo olhar e diretriz. Em 2013, foi reconhecido por seu poder realizador ao receber a certificação da norma ISO 20121 - Eventos Sustentáveis. Desde a primeira edição, já gerou 237 mil empregos diretos e indiretos e investiu, junto com seus parceiros, mais de R$ 110 milhões em diferentes projetos, passando por temas como sustentabilidade, educação, música, florestas, entre outros.

Comments


bottom of page