top of page
  • Foto do escritorGuilherme Moro

Novo single de Dulce Quental fecha trilogia que anuncia álbum autoral

Nos últimos meses, Dulce Quental vem dividindo com o mundo as primeiras faixas de seu novo disco, Sob O Signo Do Amor. Em novembro, deu a largada com o single "Apenas Uma Fantasia", um rap-canção onde canta sobre a importância do sonho e do desejo. Em dezembro foi a vez de "Vagalumes Fugidos", um tango que contrasta a relação entre as forças de chumbo do fascismo e o brilho revolucionário do amor e do humanismo.


Aproximando-se da chegada do álbum completo, a faixa "A Pele do Amor" aterrissa nas plataformas fechando a trilogia de singles desse novo trabalho autoral de Dulce. Por meio dele podemos perceber o que Dulce vem sempre falando a respeito da autonomia sobre nós mesmos, de como podemos usar nossas forças para perseverar num mundo careta e hostil. A música "A Pele Do Amor" é toda sobre autoacolhimento. O acolhimento que buscamos no outro e que, no entanto, não sabemos nos brindar.



Acompanhada por mim Jonas Sá (MPC, percussões e sintetizadores) e pelo músico Pedro Sá (guitarras e baixo), com quem dividi a produção do disco, Dulce canta: "Quero (...) me aninhar entre suas pernas, como uma segunda pele". Para então desenvolver: "Mas já não me interessa mais o que você pensa". E enfim arrematar: "Estou de volta sob a minha pele, fiz um lugar na carne do mundo (...) onde cabe qualquer dor sob o signo do amor".


É irônico notar como a autonomia é mote recorrente das redes sociais, justamente o altar da aprovação alheia. Vemos diariamente pipocarem posts com frases motivacionais como: "Vá. E se tiver medo, vá com medo mesmo". Mas Dulce sabe que o buraco é mais embaixo. O autoacolhimento serve para o nosso amor-próprio, mas também há de se acolher a dor do mundo e o medo para seguir em frente, sem nunca trocar nossos sonhos por migalhas de carinho.



Assim como faz, com maestria, a artista ao voltar para nós com a graça e beleza dessas novas canções.

Comments


bottom of page