• Guilherme Moro

Meu Funeral lança música com a Comunidade Nin-Jitsu

A Meu Funeral apresenta hoje uma nova versão da música “Meu Funeral”, que agora traz a participação da veterana banda gaúcha Comunidade Nin-Jitsu, que celebra este ano seus25 anos de carreira. O remix conta com sons do funk característico de Fredi Chernobyl, líder da Comunidade Nin-Jitsu. Junto ao remix, a banda também apresenta um lyric video, uma animação de Vitor Zorzetti que foi inspirada no clássico desenho “South Park”, que acompanhou toda a geração dos anos 1990.



É uma honra gigantesca poder trabalhar com eles. Eu cresci vendo a Comunidade Nin-Jitsu na MTV, vendo a galera misturando funk com rock. Desde o lançamento da primeira versão da música, com a Tati Quebra Barraco, que a gente tem buscado esses caminhos e misturas diferentes. Esse feat tem um gostinho ainda mais especial, pois a minha família é gaúcha, o que estreita ainda mais a nossa relação com o Rio Grande do Sul. Tô muito ansioso pra esse lançamento e ver o que a galera vai achar dessa colaboração de milhões! (risos)”, disse Luquinha, vocalista da Meu Funeral.

O clipe foi uma brincadeira muito maneira. A Comunidade Nin-Jitsu ficou gigante na virada do século dos anos 1990 para 2000, com essa pegada única do Miami bass e de flertar com o rock e o metal, que era muito maneiro. O Chernobyl virou um papa de uma porrada de coisas do indie com essa pegada do Miami bass e beats muito fortes. Foi muito maneiro ter ele participando e customizando com essa assinatura dele para a nossa música. A nossa inspiração para o clipe é claríssima no ‘South Park’, um desenho que todo mundo que é dessa época lembra, da geração MTV. Fizemos personagens de nós, de um desenho que tem dentro do ‘South Park’, o ‘Terrance and Philip’, e foi feito por um amigo nosso de Curitiba, o talentosíssimo Vitor Zorzetti, que topou o desafio e ficou impressionante”, completou o baixista Dan.


Chernobyl também falou sobre fazer essa mistura dos estilos: “Remixar a Meu Funeral foi uma alegria! Eu vejo na banda um rock divertido e inteligente, no qual eu me identifico. Nos anos 1990, quando a Comunidade Nin-Jitsu surgiu fazendo uma linguagem própria, misturando o rock com o baile funk, a gente sofria muito preconceito na época. E a gente entrou com os dois pés na porta, fazendo as coisas de um jeito muito peculiar. Eu vejo na Meu Funeral um rock que sai da mesmice, que tem ironia, inteligência e é pesado. A banda é uma luz no fim do túnel pra galera que tá fazendo rock. ‘Continue fazendo rock que vale a pena’. Eu pensei nesse remix em unir as vibes da Comunidade Nin-Jitsu com a Meu Funeral; e não poderia deixar de ser um baile funk hardcore. Um baile funk com guitarra pesada tem que ter uma letra irônica, não poderia ser uma letra séria ou chata. Tem que ser uma música com ironia, inteligência e ousadia. E é isso que vocês vão poder conferir”, disse o líder da Comunidade Nin-Jitsu.