• Guilherme Moro

HENRI faz indie pop alternativo para fim de noite no álbum "Outro Planeta"

Retirando seu capacete após longa jornada pelo universo, como se chegasse ao seu lugar no fim da noite, a sonoridade climática e etérea de HENRI cria um ambiente de conforto em seu disco de estreia solo “Outro Planeta”. No projeto do músico paulista Thiago Henrique Vasques - conhecido por projetos como o duo de indie pop Carpechill e a banda psicodélica Corte Aberto -, ele cria um ambiente onde viaja de Primal Scream a Jessie Ware, de Daft Punk a Robyn, passando por Talking Heads e sem esquecer da brasilidade. Tudo isso para dialogar os encontros e desencontros da vida contemporânea, como histórias ouvidas em segredo.



“É um disco que fala sobre relacionamentos no geral. Pela primeira vez eu quis misturar minhas vivências com a de outras pessoas, a idéia é que fosse algo de fácil identificação, eu sempre me cobrei muito com as letras, e dessa vez, eu quis escrever de forma simples e objetiva, sobre algo que todo mundo fosse se identificar instantaneamente. Mas no final, eu acabei vendo que o tema era mais relevante do que parecia, não é só sobre dor de corno, ou amor e paixão, tem muitas camadas, muita coisa pra trabalhar dentro dessa temática, o meu disco passeia nas maravilhas e nas ruínas de se relacionar, inclusive a ordem das tracks eu pensei como o ciclo de um relacionamento: conhecer alguém/transar/se apaixonar/se comprometer/terminar/se perder/ter crises existenciais/conhecer alguém de novo, ou seja, 8 etapas 8 faixas”, reflete ele.


Mirando no pop, eletrônica e new wave, HENRI não se limita a rótulos. O projeto é a expressão total e autoral de Thiago Henrique Vasques, um nome que marca presença na cena independente nacional e agora sintetiza suas influências mais pessoais e íntimas nesse trabalho solo. O pontapé inicial veio no auge da pandemia, quando produziu e gravou o EP de estreia, “Músicas de Gaveta”. Agora, ao lado do produtor Joe Irente (Melt Motif, Dolphinkids), ele afina a sintonia para um álbum completo.



“A proposta desde que firmei a produção com o Joe foi se divertir, deixar pra trás um pouco as cargas emotivas que vinha trazendo desde então nas minhas composições, ao final é um disco de pop experimental por conta da permissibilidade na produção. Com ela, foi adicionado ao disco uma pegada eletrônica muito forte, e de final para balancear, inserimos elementos orgânicos como Naipe de metais e Backing Vocals para algumas faixas, e isso elevou o nível da produção. É uma dança entre timbres digitais e timbres analogicos. A ideia de se chamar ‘Outro Planeta’ também vem disso, da mistura dos elementos soarem como algo de um outro lugar, um lugar desconhecido”, conta ele.


“Outro Planeta” está disponível nas principais plataformas de streaming.