top of page
  • Guilherme Moro

Bruna Viola emociona em novo clipe e exalta importância de Inezita Barroso em sua carreira

Apesar de muitos não acreditarem, a vida de um artista não é facíl. Rodar o Brasil realizando shows e sentindo a energia de fãs e admiradores é uma das melhores coisas do mundo. No entanto, a saudade de casa, dos pais, de familiares e amigos, é uma das dificuldades que envolvem a rotina corrida dos palcos.



É sobre isso que fala "Bença", o mais novo single de Bruna Viola, uma das maiores representantes da música caipira em atividade no Brasil. Gravado em uma fazenda em Araxá, interior de Minas Gerais, o cenário inspirador do clipe dá um toque especial aos versos que prometem emocionar a todos: “Bença, pai, bença mãe. Me conta dos cabelos brancos, quando eu saí não eram tantos. A casa está tão diferente, mas o amor é o de sempre”.


O clipe tem a direção de Bruno Campos, com o apoio da Campos Produção. Além de Bruna Viola, o elenco conta com nomes estrelados como o ator Jackson Antunes, Abadia Moura e Barbara Madeira. A canção de autoria de Avellar, Renne Fernandes, Alex Alves e Clebinho, tem a produção musical de Flávio Guimarães.



"Essa música chegou na minha mão e no exato momento em que eu ouvi a guia dos compositores, já me emocionei e ouvi várias vezes. Cada vez que eu ouvia, eu me emocionava ainda mais. Essa música é minha realidade, é o que eu vivo quando volto para minha terra natal, ver meus pais, a fazenda, os cachorros, então ela é muito verdadeira", se emociona Bruna Viola.


"A criação do enredo ficou por conta de uma pessoa incrível, que é fã do meu trabalho e já tinha trabalhado comigo em outro clipe: Bruno Campos, que foi diretor do clipe. Não queria somente uma pessoa que fizesse um trabalho incrível, mas também uma pessoa que já tivesse uma história comigo, um sentimento de pele mesmo, assim como o Bruno tem. No dia da gravação do clipe, trocamos muitas ideias e fizemos pensamos em outras coisas", completa.


Bruna vive grande fase de sua carreira. Além do novo single e clipe, que prometem repercutir muito, a cantora será protagonista do filme “Sistema Bruto”, uma comédia de ação do cinema nacional, que promete despertar o lado aventureiro dos brasileiros.



"Não foi fácil mais foi diferente. Eu estava achando que não ia dar conta e contracenar com todos aqueles ícones. Eu dei uma surtada (risos), mas o set de gravação era muito descontraído, com todo mundo me ajudando e me dando muito apoio e energia positiva. A galera teve muita paciência comigo. No terceiro ou quarto dia de gravação, eu já estava muito mais solta e as coisas fora fluindo, pela energia e companhia de todo mundo. Acalmei o coração e gravei o filme", afirma.


Tanto o filme, quanto o recente videoclipe, têm Jackson Antunes como um dos personagens principais. O "Charles Bonson Brasileiro" acumula mais de 35 anos de carreira e atuou em diversos sucessos da teledramaturgia e do cinema nacional.


"Eu conheci ele (Jackson Antunes) quando atuamos no filme 'Sistema Bruto'. Fiquei durante um mês contracenando com ele e vi tudo o que era de mais verdadeiro e sincero dentro de uma pessoa. Criamos um vínculo muito grande de amizade e trocamos horas e horas de conversas. Ele é um ser humano incrível. Pela história da música 'Bença' e de tudo que queríamos, ele foi a pessoa ideal para fazer o papel do meu pai. Foi muito maravilhoso e espero que todo mundo curta. A música foi a nossa verdade e entregamos tudo nela", diz Bruna.


Apesar de carregar a viola como bandeira e até mesmo em seu sobrenome artístico, Bruna se considera uma pessoa eclética, que ouve todos os estilos musicais e insere a viola, sua maior paixão, nas mais diversas vertentes musicais.


"Eu sou uma pessoa muito eclética. Gosto de ouvir tudo, justamente para aprender e absorver o que cada estilo musical tem para oferecer e ensinar. Eu jogo todas esas informações dentro do instrumento que eu toco e dentro da música caipira, que é o meu estilo. Procuro sempre trazer coisas diferentes. A viola caipira é um instrumento incrível, que cabe em qualquer música do mundo. Tocamos o que vier e eu ouço de tudo. Tenho minha mente bem aberta para aprender", comenta sobre seu estilo musical.


"O meu nome artístico veio por conta da minha paixão. A responsabilidade é gigantesca, ser uma referência dentro de um estilo musical que é muito masculino. Desde sempre tivemos muitas mulheres que lutaram para que nós pudéssemos estar onde estamos hoje. Eu tô aqui apenas para continuar essa luta e essa briga. Na época da Inezita Barroso era muito mais difícil. O pai dela não aceitava ela ir para as rodas de viola e cantar. O preconceito era muito maior e ela foi uma rebelde da época dela, pois enfrentou o preconceito do próprio pai, da mídia e dos próprios violeiros. Aparecer no cenário nacional cantando músicas que falam de buteco e de pinga, era algo que jamais uma mulher da época dela poderia falar ou fazer. Ela é minha grande insipiração", completa.



Bruna lançou o seu álbum de estreia em 2015, mas anteriormente, fazia constantes aparições no saudoso programa "Viola Minha Viola", cujo a apresentadora era sua grande referência: Inezita Barroso.


"Ela foi 100% importante em tudo na minha carreira. O meu trabalho começou a ser divulgado e visto muito por conta do programa dela. Muitos contratantes e shows vieram através da dela, além de outros convites para demais emissoras. A fala que sempre chegava até mim era: 'te vi no Viola Minha Viola'. A Inezita foi tudo na minha carreira. Além de uma referência, ela foi uma mãe pra mim".


Com 18 anos de carreira, a exímia violeira, excelente performer e carismática, Bruna Viola

conquistou espaços levando a música sertaneja para os palcos em todo o Brasil e valorizando a vida caipira.


bottom of page