• Guilherme Moro

Brasiliense, Denise Oliveira, apresenta seu primeiro EP em carreira solo

A cantora e produtora Denise Oliveira, umas das promessas da nova cena musical de Brasília lançou no dia 13 de maio, nas plataformas digitais, seu primeiro EP solo denominado “Para Não Esquecer Um Grande Amor”.


Divulgação

O EP é composto por quatro sambas e uma ciranda com mensagens de amor interpretadas com muita ternura. Além da faixa-título “Para Não Esquecer Um Grande Amor”, o álbum traz as faixas “Ciranda Do Amor Distante”, “Mareia”, “Súplica” e “Bom dia”, todas de autoria de Eduardo. O trabalho minimalista teve base instrumental do violonista Kleiton Sodré, arranjos e piano da cantora e instrumentista Nayara Portela, participação do percussionista Hermano Silva (Banda Jenipapo) na faixa “Ciranda do Amor Distante” e do violonista de 7 cordas Arthur Rodrigues na faixa "Para Não Esquecer Um Grande Amor".


Para Denise, o lançamento desse trabalho é uma grande realização pessoal e um sonho que se tornou real graças a ajuda de grandes amigos músicos como a cantora Nayara Portela e o violonista e compositor Luciano Portela, donos da gravadora independente Banana Música, responsável pela gravação, mixagem e finalização do EP. Ela afirma que esse trabalho é um presente que vem de dentro do coração, “uma estreia corajosa que pretende alçar voos e encontrar abrigo no coração da plateia”, completa.



A cantora conta que se identificou de imediato com o nome do álbum por causa de uma história particular. Em julho de 2016, aos 23 anos, Denise, perdeu um grande amor, seu companheiro, Valter Renato Nobre. Antes da morte repentina de Valter, vítima de uma parada cardiorrespiratória, eles viveram uma intensa história de amor. “Ele teve uma parada cardiorrespiratória, aos 37 anos, era saudável, a partida dele foi um baque, fiquei sem chão”, explica. A partir desse drama pessoal, cantar tornou-se um grande alento para a jovem. “Após a partida dele, só encontrava forças para cantar...o único momento em que poderia sorrir era quando estava cantando...a música era a única coisa que me consolava naquele momento”.


Meses após o episódio, ela se uniu aos músicos do grupo Chorando Baixinho formado pelos instrumentistas Luís Fernando (Bandolim), Victor Cortez (Cavaquinho), Arthur Rodrigues (Violão sete cordas) e Augustinho Cézar Rodrigues (Pandeiro), passou a se apresentar em espaços da cidade e estreitou a parceria com o compositor Eduardo Nascimento.


Além disso, seguiu se apresentando nas edições do Palco Aberto, do Clube da Bossa Nova, no Sesc Silvio Barbato, entre os anos 2016 e 2018, e nos encontros do projeto Música para Todos às segundas-feiras no saudoso Feitiço Mineiro, e em apresentações promovidas pelo movimento “Novas Vozes de Brasília”, criado por Márcia Tauil. Entre as grandes inspirações da artista estão as cantoras Rosa Passos, Mônica Salmaso, Joyce Moreno, Elis Regina, Clara Nunes, que a inspiram na delicadeza do cantar, além de Márcia Tauil, sua professora de canto e incentivadora.