top of page
  • Foto do escritorGuilherme Moro

ARVO Festival reúne Liniker, Baco Exu do Blues, Jorge Aragão e mais em Florianópolis

Com data marcada para este sábado (28), o ARVO Festival se prepara para realizar uma edição histórica no Império das Águias, em Florianópolis. Reunindo ações de sustentabilidade e muita música, conta com a presença do rapper Baco Exu do Blues, Furacão 2000, Jorge Aragão, FBC, Anelis Assumpção, Rubel, Liniker, Nação Zumbi, Dandara Manoela convida Rincon Sapiência, Tulipa Ruiz, Coral Tape Mirim convida Eliara Antunes, e Reis do Nada com participação de Flora Cruz e Re Significa.


Foto: Caroline Lima

Além deles, o palco Discoteca vai trazer o Baile da Brum, Arrasta, Mvuka, Hip Hop Deraiz FT Yasmin Limas, Troop FT EDU, Banzeiro FT Turbilhão, Salseiro apresenta Kika Deeke & Allen Rosa, Baile dos Gêmeos e As Mina do Som FT Macaxeira Frita. Ingressos aqui.

Desde 2018, os sócios André Costa Nero e André Pardini, vêm promovendo em Florianópolis artistas que se destacam no cenário nacional da música brasileira, assim como nomes locais, a fim de fomentar a cena. Com 5000 pessoas presentes na última edição, os organizadores do evento trabalham para dobrar o público em 2023: “Sabemos que é um desejo ousado, mas é o nosso objetivo, sem dúvida. Trabalhar para fortalecer cada vez mais a nossa estrutura e poder ser um ativo relevante não só para Santa Catarina, mas como forma de fomentar a música brasileira como um todo”, diz André Costa Nero.

Sustentabilidade na prática

Além da música, claro, a sustentabilidade também é marca registrada do ARVO, e o evento chega à sua oitava edição fomentando ações sustentáveis em parceria com empreendedores locais, alimentação popular, geração de recursos por meio da coleta seletiva e o apoio aos profissionais que reúnem materiais recicláveis.

Em 2022, o evento conseguiu uma redução de 94% na geração de lixo que é desviada do aterro sanitário e a neutralização dos GEE (gases de efeito estufa) gerados. Devido ao gerenciamento dos resíduos e sua destinação correta, deixou de emitir cerca de 0,66t CO2 e, com isto, aproximadamente 92% das emissões relacionadas aos resíduos sólidos foram evitadas.

Para este ano a gestora de sustentabilidade, a engenheira Sara Cura, explica: “O nosso objetivo principal é a gestão global dos resíduos do ARVO, rumo ao lixo zero. A gente faz a reciclagem, a compostagem e o desvio máximo do rejeito do aterro sanitário. Oferecemos água de graça, temos o projeto Bituca é Lixo, que recolhe o microlixo do festival, a praça de alimentação é toda compostável - embalagens, talheres, etc -, ou seja, tudo o que sai de lá vira terra. Teremos este ano uma tenda de frutas orgânicas e agroecológicas vindas da agricultura familiar com preço acessível - comida de verdade e sem veneno. Teremos também uma Praça de Sustentabilidade com várias iniciativas, como banco de sementes crioulas, painel ODS (objetivos de desenvolvimento sustentável) feito pelo coletivo ODS SC, uma livraria com livros que tem a ver com sustentabilidade e questões ambientais. E também teremos a presença do Centro Cultural Veras que, inclusive vai fazer uma performance, além de uma feira guarani, com artesanato produzido na Terra Indígena Morro dos Cavalos. No banheiro, os sabonetes são biodegradáveis, assim como os detergentes das cozinhas dos restaurantes. Sem contar na tecnologia dos catadores, como gosto de chamar, que vão nos ajudar a fazer a triagem para a reciclagem".

Dessa forma, o ARVO normaliza a baixa geração de resíduos, promove a reciclagem e compostagem, fomenta o trabalho dos catadores de materiais recicláveis, neutraliza sua pegada de carbono e aposta na conscientização ambiental através da experiência, misturando arte e engajamento ecológico.


Atrações


De origem baiana, Baco Exu do Blues lançou seu primeiro álbum Esú (2017). Aclamado por fãs, pela mídia e acumulando indicações e prêmios nacionais e internacionais, o rapper está em constante ascensão na música brasileira. “Quantas vezes você já foi amado?” é a indagação que Baco faz no disco QVVJFA, lançado em 2022. A produção indicada ao Grammy Latino conta com a participação especial de Gal Costa, Gloria Groove e Muse Maya. Nele, Baco reflete sobre a forma de receber e dar afeto a um homem preto.


Fundada na década de 1980, a Furacão 2000 ganhou notoriedade ao popularizar os bailes funk no Rio de Janeiro, tornando-se uma referência cultural no cenário musical e de entretenimento do país. Desde o funk proibidão até os hits mais comerciais e festivos, a Furacão lançou músicas que atravessaram gerações, como "Rap da Felicidade" de Cidinho & Doca, "Rap das Armas" de MC Júnior e MC Leonardo, e "Tô Tranquilão" de MC Sapão, contribuindo não apenas para a propagação do funk carioca, mas também influenciando a identidade da música brasileira até hoje. Para a 8ª edição do Festival ARVO, a Furacão 2000 levará para a Praia do Campeche um show que transportará o público de volta ao início do século ao som das batidas que todo mundo sabe de letra sob o comando de Rômulo Costa.


Enquanto HabEx (Habilidades Extraordinárias, quinto disco e mais recente álbum de inéditas) continua sua turnê de lançamento, a multiartista Tulipa Ruiz convida o público do ARVO para acompanhá-la em um passeio por sua carreira em um show no qual canta hits, composições que ama e canções ainda não gravadas por ela. Em sua fase atual, Tulipa vive um momento de profundo entrosamento com o power trio (Gustavo Ruiz, guitarra, Samuel Fraga, bateria, Gabriel Mayall, baixo), responsável pelos arranjos ágeis e a sonoridade pesada do seu repertório. Celebrada como uma das vozes mais potentes de sua geração e uma das grandes compositoras da música atual, Tulipa é vencedora do Grammy Latino entre outros prêmios.


O cantor e compositor Jorge Aragão traz para o palco do festival o seu mais recente projeto, lançado em 2021, Jorge 70: Ao Vivo em São Paulo. No show do álbum - inédito em Florianópolis - ele apresenta inéditas e releituras de seus grandes sucessos, além de celebrar a alegria e a resistência da arte popular brasileira.

Liniker chega com o show do álbum Indigo Borboleta Anil, que recebeu três indicações ao Grammy Latino 2022 e levou o prêmio de “Melhor álbum de música popular brasileira”, tornando Liniker a artista brasileira com mais indicações ao prêmio neste ano e a primeira artista transgênero a ganhar um Grammy.


Uma das bandas mais importantes e revolucionárias da música brasileira, a Nação Zumbi marcou uma geração de jovens com sua sonoridade única e marcante. E chega com todo o peso e ritmo num show que vai contar com os sucessos da carreira e versões de músicas importantes na história do grupo formado por Jorge Du Peixe (vocal), Dengue (baixo) e Toca Ogan (percussão), além dos músicos convidados Marcos Matias e Da Lua (alfaias), Tom Rocha (bateria) e Neilton Carvalho (guitarra). Recentemente, “Da Lama Ao Caos” foi eleito o melhor disco já feito no Brasil nos últimos 40 anos em uma enquete feita pelo jornal O Globo com 25 especialistas de todo o país.


Rubel vai apresentar o show do seu mais recente disco, As Palavras Vol. 1 e 2, que é uma tentativa de registrar o sentimento de viver no Brasil durante os últimos anos. Com participações que vão de Milton Nascimento a Gabriel do Borel, em 20 canções ele mistura o popular e experimental de Funk, Forró, Pagode, Samba, Hip Hop e MPB. E será essa mistura, além de outros sucessos da carreira do artista, que o público poderá ver no ARVO.


Compositora, percussionista e intérprete, a música fez parte da vida de Anelis Assumpção desde muito cedo. Começou sua jornada musical ao lado de seu pai, o renomado músico paulistano Itamar Assumpção. Conquistou o público e a crítica com quatro álbuns autorais: “Sou Suspeita, Estou Sujeita, Não Sou Santa (2011)”, “Amigos Imaginários (2014)” e “Taurina (2018)”. Seu recente lançamento, o álbum “SAL (2022), premiado com o APCA de Melhor Produção Musical do Ano, dá o tom para o show que levará ao Festival ARVO.


Já o grupo de canto e dança do povo Guarani Mbyá da Tekoá Itaty (Terra Indígena Morro dos Cavalos), localizada no município de Palhoça (SC, será representado pelo coral Tape Mirim que existe há mais de 20 anos e é formado por crianças, jovens e adultos da comunidade. As músicas entoadas falam da Natureza, de Nhanderu (Deus) e são carregadas de ensinamentos voltados principalmente para os mais novos da comunidade. As vozes femininas e masculinas são acompanhadas por instrumentos musicais marcando o ritmo, como violão, violino, chocalho e tambor. Junto com o coral, Eliara Antunes fará uma participação especial. Eliara atualmente é cacica da aldeia Yaka Porã da TI Morro dos Cavalos. Atua também como professora na escola da aldeia e é militante dos povos originários a nível nacional, representando o povo Guarani Mbyá no congresso nacional em 2023. Escolhida como mulher guarani representante do bioma Mata Atlântica, há nove anos assumiu o cacicado com objetivo de proteção e segurança do Território Morro dos Cavalos.

Cantora, compositora, produtora e educadora cultural, Dandara Manoela nasceu em Campinas, mas formou-se musicalmente em Florianópolis. Em 2015, tornou-se vocalista e percussionista do grupo Cores de Aidê. Em 2018, lançou o álbum “Retrato Falado”, resgatando sua ancestralidade e celebrando a música como instrumento político. Recentemente, representou o Brasil ao lado da delegação brasileira na 7ª edição do MICA - Mercado de Indústrias Culturais Argentinas, evento que aquece o setor cultural em Buenos Aires. Além de MC, Rincon Sapiência, que fará uma participação especial no show de Dandara, também é produtor musical e empresário do selo musical Mgoma. Destaque na cena musical brasileira da última década, seu álbum de estreia “Galanga Livre” entrou para a lista dos 50 melhores de 2017 da APCA - Associação Paulista de Críticos de Artes, arrematando prêmios enquanto afirmava sua versatilidade em parcerias com Alice Caymmi, IZA, Sidney Magal, Karol Conká, Drik Barbosa e Rubel.

Após o sucesso de “Baile - Uma Ópera Miami (2021)”, FBC aponta sua produção musical para outra vertente da dance music: o house. Com os singles “Químico Amor” e “Madrugada Maldita”, o rapper mineiro leva o material fresco do álbum para o palco do Festival ARVO. “O Amor, o Perdão e a Tecnologia Irão Nos Levar Para Outro Planeta” chegou às prateleiras digitais no dia 28 de julho.

Reis do Nada é uma banda de Florianópolis, composta pelos músicos, produtores musicais Laurinho Linhares e Ph Collaço. A sonoridade do grupo traz influências que se estendem da MPB ao Hip Hop – um R&B brasileiro com características melódicas da Soul Music e uma pegada urbana presente nos beats eletrônicos.


Nascida no norte do Brasil e filha de músicos da toada - ritmo tradicional da Amazônia - Renata também é compositora, começou sua formação em contato com elementos da música brasileira, em 2015 mudou-se para a Austrália e com referências como Tash Sultana, Chet Faker, FJK e Bruna Boy criou o alter ego Rê Significa.

Flora Cruz é uma artista de dupla nacionalidade, metade brasileira, metade britânica. Suas influências são uma mistura entre a Inglaterra e o Brasil, seu repertório passeia entre R&B, pop e soul music. Em 2019 participou do The Voice Brasil, no time do Lulu Santos, e avançou até as quartas de final. Hoje se apresenta com sua banda em diversas cidades do Brasil. Lançou seu primeiro single Mais (+) em novembro de 2020 e acabou de lançar o hit I KINDA LIKE U, com uma pegada disco e pop, trazendo uma nova era para a cantora. O público do ARVO Festival vai poder ouvir High, parceria com a banda Reis do Nada.



Comments


bottom of page