• Guilherme Moro

Aceleração LabSonica 2.0 vai selecionar novos artistas para ciclo de desenvolvimento de carreiras

A Oi Futuro e o Estúdio Toca do Bandido já abriram as inscrições para o edital Aceleração LabSonica 2.0 :: Toca do Bandido, que tem como proposta alavancar a carreira de novos músicos e bandas independentes, através de um ciclo que inclui jornada de diagnóstico de carreira, mini curso de music business, workshop de planejamento estratégico, pitching, além de mentorias individuais promovidas por especialistas da indústria da música.

Ao final da capacitação, os selecionados participarão de uma residência artística na qual farão um songcamp e produzirão um EP com três faixas e uma Live Session, produtos que serão lançados pelo Selo Toca Discos.



A segunda edição de aceleração da LabSonica, em parceria com a Toca do Bandido, dá sequência ao projeto muito bem sucedido, que teve 900 inscrições e cerca de 300 horas de mentorias em sua primeira edição, iniciada em março de 2020. “O Aceleração LabSonica veio em um momento muito desafiador, no começo da pandemia. A gente mergulhou no projeto, em meio a atmosfera de incertezas. Estávamos muito entusiasmados com a parceria com o Oi Futuro: a estrutura, os profissionais, a troca com os artistas. Todos esses elementos contribuíram para a magia da primeira edição”, pontua Constança Scofield, responsável pela mentoria de direção artística do estúdio Toca do Bandido, que está completando 20 anos. Constança e o produtor artístico Felipe Rodarte, ambos experientes na gestão do Estúdio e do selo Toca Discos, são responsáveis pela orientação e condução do projeto, em conjunto com o Oi Futuro. “A ideia é promover uma imersão total no mundo da música, para que os artistas possam desenvolver suas carreiras”, complementa Felipe.


"A segunda edição da Aceleração Musical LabSonica materializa o propósito do Oi Futuro de estimular a experimentação e inovação no ecossistema da música e na economia criativa, que se tornaram ainda mais importantes neste momento de reinvenção da cultura", afirma Victor D'Almeida, gerente executivo de Cultura do Futuro.


Ferramenta fundamental do projeto, o diagnóstico de carreira ganha novo parceiro com a chegada da musictech strm®, startup brasileira que utiliza inteligência artificial para identificar em qual momento da carreira os artistas estão e quais desafios precisam enfrentar para alcançar patamares mais altos. No Aceleração Musical LabSonica 2.0, todos os inscritos receberão diagnósticos. Para se inscreverem, bandas e artistas solo precisam ter dois anos comprovados com lançamentos e registros de shows. Dos seis artistas selecionados, quatro serão do estado do Rio de Janeiro e dois de demais estados brasileiros.




Diversidade e inclusão seguem sendo palavras-chave no processo de seleção de artistas e bandas independentes para o edital que, em sua estreia, lançou a Banda Bule, de Pernambuco; Sandyalê de Sergipe, e quatro revelações do Rio de Janeiro: Caio Prado, Luciane Dom, Varandão e Tuim.

O projeto tem patrocínio do Governo do Estado do Rio de Janeiro, Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa, Lei Estadual de Incentivo à Cultura e Oi, com apoio cultural do Oi Futuro e realização da Toca do Bandido.

Do diagnóstico ao lançamento

Ao longo da aceleração, bandas e músicos farão uma imersão para a produção de EPs, participando de workshops e mentorias orientados por profissionais especializados da área. O ponto de partida será o diagnóstico de carreira, para avaliar necessidades e projetar as etapas de desenvolvimento, incluindo seleção de repertório, capacitação em empreendedorismo e design estratégico profissional e artístico.

A primeira semana de capacitação será realizada no Lab Oi Futuro – espaço criado no Rio pelo instituto da Oi para estimular a inovação na economia criativa. Ao fim da primeira semana, os músicos participam do songcamp, no Estúdio Toca do Bandido, que inclui dinâmicas que estimulam a composição.

Em seguida, cada selecionado terá três músicas produzidas, com a orientação e condução de Constança Scofield e Felipe Rodarte. Os EPs serão lançados pelo Selo Toca Discos em todas as plataformas digitais, com apoio de divulgação das bandas nas redes sociais. O making of do processo de produção e gravação ganhará registro audiovisual: ao final do processo, cada artista participante terá o oficial recording session videoclip de uma música gravada ao vivo. O estúdio do Lab Oi Futuro vai sediar os ensaios, enquanto o estúdio Toca do Bandido será local das gravações e mixagem.

Ao final da aceleração, os artistas selecionados participarão de um pitching para uma banca de profissionais do mercado de música, no Lab Oi Futuro.

Sobre o Oi Futuro

O Oi Futuro, instituto de inovação e criatividade da Oi para impacto social, atua como um laboratório para cocriação de projetos transformadores nas áreas de Educação, Cultura e Inovação Social. Por meio de iniciativas e parcerias em todo o Brasil, estimulamos e conectamos indivíduos, organizações e redes para a construção de um futuro mais potente, com mais inclusão e diversidade.

Na cultura,o Oi Futuro mantém um centro cultural no Rio de Janeiro, com uma programação que valoriza a convergência entre arte contemporânea e tecnologia. O espaço também abriga o MUSEHUM - Museu das Comunicações e Humanidades, com acervo de mais de 130 mil peças. Há 18 anos, o Oi Futuro gerencia o Programa Oi de Patrocínios Culturais Incentivados, que seleciona projetos em todas as regiões do país por meio de edital público. Desde 2003, foram mais de 2.500 projetos culturais apoiados pelo Oi Futuro, que beneficiaram milhões de espectadores. O Instituto também criou e mantém o LabSonica, laboratório de experimentação sonora e musical sediado no Lab Oi Futuro, no Rio de Janeiro, que oferece infraestrutura necessária para que bandas, músicos, produtores, pesquisadores da arte sonora, gravadoras independentes, desenvolvedores e outros talentos, realizem seus projetos sonoros e viabilizem produções independentes.

Em anexo - foto do estúdio Toca do Bandido , por Rossato Lima