top of page
  • Foto do escritorGuilherme Moro

Renato Vieira lança livro "O Produtor da Tropicália", em homenagem à Manoel Barenbein

Um dos principais produtores da música brasileira, Manoel Barenbein é o personagem principal do livro O Produtor da Tropicália – Manoel Barenbein e os álbuns de um movimento revolucionário, do jornalista e pesquisador musical Renato Vieira.



Baseado no podcast de mesmo nome que foi ao ar pela série Discoteca Básica Apresenta (do podcast Discoteca Básica), o livro é composto por entrevistas de Barenbein em que ele conta a Vieira como foi a concepção desses trabalhos históricos e a convivência com Caetano Veloso, Chico Buarque, Gilberto Gil, Gal Costa, João Gilberto, Jorge Ben, Mutantes e Maria Bethânia. Com prefácio de Gilberto Gil, O Produtor da Tropicália traz ainda conteúdo exclusivo: entrevistas inéditas sobre os trabalhos que Barenbein fez com Erasmo Carlos, Nara Leão, Rogério Duprat, Ronnie Von, Claudette Soares e Jair Rodrigues.

Editado pela Garota FM Books, o livro já tem sessão de autógrafos marcada em São Paulo, onde está radicado o autor, que é mineiro, e no Rio. Dia 1º de dezembro (quinta-feira), Renato Vieira estará na Travessa de Pinheiros a partir das 19h. No dia 06 de dezembro (terça-feira), ele desembarca no Rio para autografar os exemplares na Travessa do Leblon a partir das 19h.



Sobre o livro

Manoel Barenbein dirigiu praticamente todos os discos da Tropicália, lançados pela Companhia Brasileira de Discos no fim dos anos 1960. Em O Produtor da Tropicália, ele lembra como surgiu a concepção do álbum “Tropicália Ou Panis Et Circencis”, marco histórico do movimento tropicalista, produzido por ele. Outro detalhe saboroso é a convivência de Barenbein com Chico Buarque: foi ele quem convenceu o jovem estudante de Arquitetura e compositor a gravar suas próprias músicas. Os dois trabalharam juntos de 1965 a 1971 em estúdios do Rio, São Paulo e Roma. O produtor também recorda a tensão de gravar discos de Caetano e Gil em Salvador quando os dois estavam prestes a ser exilados: agentes da Ditadura Militar o abordaram e o levaram para prestar esclarecimentos.

Uma prova do quanto é querido e respeitado no meio musical, Barenbein foi citado em várias faixas dos álbuns que produziu: Em “De Noite Na Cama”, por exemplo, Erasmo Carlos solta um “Viva o Mané!”. Em “Oba, Lá Vem Ela”, Jorge Ben fala ao final “Está acabando, Manoel, e eu estou de olho nela!”. Diz ele: “Fico muito feliz de poder falar desses discos que produzi. Muito humildemente, eles são históricos. Devo muito aos artistas com quem trabalhei e este livro também é uma forma de agradecer a todos eles”.

Para Vieira, o livro é uma homenagem ao legado de Barenbein na música brasileira: “Ele sempre gostou de estar nos bastidores. Ele acredita que o holofote tem que ser do artista. Graças à compreensão de Barenbein, esses artistas se sentiram livres para criar. Ele estimulava isso. No livro 'Verdade Tropical', por exemplo, Caetano Veloso disse que Barenbein comprou a briga dos tropicalistas com carinho e determinação”.

Em seu prefácio, Gilberto Gil define Manoel Barenbein catapultando a sua importância para a história da música brasileira: “Ele não era nada circunspecto, nada formal. Naquele momento da Tropicália, Manoel era um de nós, colocava a colher na massa do bolo da mesma maneira”.

O Produtor da Tropicália – Manoel Barenbein e os álbuns de um movimento revolucionário celebra o legado tropicalista no ano em que seus dois idealizadores, Gilberto Gil e Caetano Veloso, completaram 80 anos, bem como o próprio Barenbein (Gil em 26 de junho, Caetano em 07 de agosto e Manoel, em 07 de setembro).

Comments


bottom of page