top of page
  • Foto do escritorGuilherme Moro

Nação Zumbi inicia turnê comemorativa de 30 anos em Porto Alegre

Em 2024, a Nação Zumbi comemora três décadas do lançamento do disco Da Lama Ao Caos, um clássico na trajetória da banda e na história da música brasileira. A turnê especial Da Lama Ao Caos - 30 Anos terá início em Porto Alegre, no festival Turá, que reunirá importantes representantes da cultura do nosso país em apresentações nos dias 25 e 26 de maio, no Anfiteatro Pôr do Sol.


O show da Nação Zumbi está confirmado para o primeiro dia de evento, sábado, e contará com todas as faixas do álbum, tocadas ao vivo pelos integrantes Jorge Du Peixe (vocal), Dengue (baixo), Toca Ogan (percussão), Marcos Matias e Da Lua (tambores), Tom Rocha (bateria) e Neilton Carvalho (guitarra). Sucessos como A Praieira, que integra a trilha sonora da novela Tropicaliente (1994); A Cidade, com seu clipe veiculado na MTV Brasil e trilha da novela Irmãos Coragem (1995); e a música-título estão entre os destaques da apresentação.


O show ainda terá participação especial de Maciel Salú, rabequeiro, cantor, compositor, mestre de maracatu-rural e militante das tradições populares. "Tocar com a Nação Zumbi é um sonho antigo. Banda que admiro e tenho muito respeito. Agora chegou a vez de, de certa forma, dar continuidade ao encontro que aconteceu anos atrás, entre Chico Science e meu pai, o Mestre Salustiano", diz Salú.


Lançado em 1994, o disco de estreia do grupo (ainda sob a alcunha de "Chico Science & Nação Zumbi"), impactou a cena musical com uma nova sonoridade, unindo de maneira original ritmos regionais e universais, e tornou-se um dos marcos do Movimento Mangue. 30 anos depois de seu lançamento, o trabalho, produzido por Liminha, consolidou-se como um dos álbuns mais importantes no cenário musical brasileiro. 


Ocupando o 13º lugar, o álbum está na lista dos 100 maiores discos da música brasileira da Revista Rolling Stone Brasil. Em 2022, foi escolhido o melhor disco da MPB nos últimos 40 anos, em enquete promovida pelo jornal O Globo, com 25 especialistas em música de todo o país. Seu som revolucionário com canções energéticas bem elaboradas mesclando funk, rock, maracatu, embolada, psicodelia e música africana inaugurou a cena Mangue, alcançou projeção internacional e foi também um dos responsáveis pela "abertura de portas" para o rock dos anos 90 no Brasil, exercendo uma influência muito forte para o que surgiria depois. 


A Nação Zumbi tem oito álbuns autorais - os dois primeiros, Da Lama ao Caos e Afrociberdelia, ainda com Chico Science - e um de releituras, lançado em 2017, o Radiola NZ (vol. 1). Há ainda dois álbuns audiovisuais, Propagando ao Vivo (2006) e Ao Vivo no Recife (2012), além do CD Mundo Livre S.A vs Nação Zumbi (2012).


Nas três décadas de estrada em festivais importantes pelo país e exterior, houve várias formações da Nação Zumbi. A banda conseguiu se reestruturar e soube se reinventar ano após ano, disco após disco, até chegar aqui. Remanescentes da formação original e fundadores da banda, junto de Chico Science, Jorge Du Peixe, Dengue e Toca Ogan seguem também em carreira solo com novos trabalhos.  


Após a apresentação de estreia em Porto Alegre, a turnê especial passará pela edição paulista do festival Turá, no dia 29 de junho, no Parque Ibirapuera, antes de seguir pelo restante do país.

Comments


bottom of page