• Guilherme Moro

Música de Dr. Hausen & Mr. Guay é destacada em filme premiado

“Grandes Sertões”, faixa do álbum “Os Homens de Pijama”, de Dr. Hausen & Mr. Guay, é o tema de abertura do filme “Ayrton Meninices no Coração do Brasil”, do cineasta paulista Vicentini Gomez. A trilha sonora inclui duas outras músicas do CD: “Os Meninos de Pijama” e a instrumental “Sinfonia Para a Paz”, todas compostas por Hausenclever Katerbroyne Pettersen. Ainda inédito nas telas brasileiras, “Ayrton Meninices no Coração do Brasil” já ganhou mais de 30 prêmios em festivais de cinema em três continentes, entre os quais, melhor documentário (7 prêmios), diretor (7 prêmios), fotografia (6 prêmios), trilha sonora (6 prêmios) e produção (2 prêmios). “Grandes Sertões” foi premiada na Venezuela como melhor música cantada.



Rodado nas cidades de Taipas, Dianópolis, Natividade, Almas, Porto Alegre do Tocantins, no estado do Tocantins, e em São Paulo, “Ayrton Meninices no Coração do Brasil”, resgata a infância e a adolescência de uma grande personalidade do automobilismo brasileiro. A narrativa reúne histórias, causos e lembranças de amigos que conviveram com Ayrton (representado pelo ator Rodrigo Dorado) entre os 7 e 17 anos, durante as férias escolares na fazenda Brejo, em Taipas do Tocantins.


O documentário, que ressalta a beleza e a cultura daquela região do Brasil, tem sido elogiado e agraciado por sua temática singular e sua qualidade artística nos mais variados eventos cinematográficos em que concorreu, entre os quais, Rome International Movie Awards (no qual ganhou os prêmios de documentário, direção e fotografia), World Film Carnival/Singapura (Prêmio da Crítica), NYC International Film Festival (Nova York), Madrid International Movie Award, Ucrânia (Ukrainian Dream Film Festival) e Knight of the Reel Award/Índia (melhor trilha sonora, composta por Michel Vicentine). Em breve, o filme será apresentado em um festival na Grécia.



A ideia para a realização do documentário veio por intermédio de um amigo comum do compositor Hausenclever Pettersen e do cineasta Vicentini Gomez: o jornalista Goianyr Barbosa, que conhecia a história em suas particularidades. “Quando me foi apresentada a história, eu conheci o Becão - a semente do Ayrton -, um garoto obstinado, irredutível em suas convicções e na busca pela realização de seus sonhos”, conta Vicentini. Num segundo momento, o cineasta conheceu as histórias contadas pelos vaqueiros do interior tocantinense e encontrou ali personagens essenciais para a construção do filme. “Os vaqueiros contaram histórias fantásticas e decidi focar a narrativa neles, naquelas pessoas simples, humildes, sempre espantadas com as loucuras do menino Becão, que se destacava junto aos vaqueiros pelas peraltices e ‘loucuras’ que aprontava”, diz o cineasta. Anos mais tarde, Becão ficaria conhecido como Ayrton Senna, o grande campeão.

Afinidade das músicas com o tema do documentário

A escolha das músicas de Hausenclever Pettersen para a trilha sonora do filme aconteceu de forma imediata e definitiva, segundo Vicentini Gomez, que recebeu o CD “Homens de Pijamas” durante um encontro com o compositor, na cidade de Palmas. O cineasta buscava músicas de compositores ‘da terra’ para ilustrar a narrativa e encontrou no disco de Dr. Hausen & Mr. Guay temas afinados com as histórias recolhidas. “Assim que ouvi ‘Grandes Sertões’ não tive dúvidas: tinha encontrado o tema para a abertura do documentário”, diz o cineasta. O diretor selecionou também, do mesmo CD, “Os Meninos de Pijamas”, que trata da amizade na infância, e “Sinfonia Para a Paz”, tema que encerra a narrativa. Para Hausenclever Pettersen, a inclusão das três faixas foi uma grata surpresa. “O Vicentini nos premiou”, comemora. Hausenclever Pettersen é mineiro de nascimento, mas vive no Tocantins há muitos anos.

Um cardápio musical variado

“Os Homens de Pijama” reúne 15 músicas compostas por Hausenclever Katerbroyne Pettersen, o Dr. Hausen, e Jacenguay Sousa Pettersen, o Mr. Guay. Dr. Hausen é o autor das letras e das linhas melódicas, enquanto Mr. Guay (in memoriam) desenvolveu as bases harmônicas e rítmicas a partir das sugestões do parceiro. Essas composições formam um cardápio musical variado, contemplando o samba, a bossa nova, o blues e o tango, entre outros gêneros nacionais e internacionais, tratando de temas como o amor, a política e o cotidiano. A música-título, inspirada no livro e filme “O Menino do Pijama Listrado” pode ser vista como um libelo contra as injustiças. "É um grito de desespero contra o desprezo pela vida, contra uma realidade marcada pela violência, a miséria e a intolerância”, considera o autor. Todas as faixas do CD foram gravadas em Palmas, com arranjos e produção musical do maestro Renato Moreira Mota, e são interpretadas por cantores tocantinenses, como Dorivã, Eissyla. Mello Jr. e Badinho Araújo.

De ascendência norueguesa, Hausenclever Katerbroyne Pettersen nasceu em Alvorada (distrito de Carangola, Minas Gerais). Em Belo Horizonte, formou-se engenheiro civil, profissão que exerceu por muito tempo, sem, no entanto, se distanciar da cultura e de sua formação humanista. Hoje, prefere dedicar-se à música, revelando através dela suas reflexões sobre a vida, suas angústias e esperanças. “Larguei régua e compasso e tornei-me compositor sob as bênçãos do Nosso Senhor”, declara. Segundo ele, toda sua criação musical vem de Deus. Em referência a esse dom, deve-se dizer que Hausenclever é um compositor autodidata. Não teve formação musical convencional ou estudo metódico de instrumentos. “Eu sou um instrumento de Deus, que me guia e me inspira, tanto na vida quanto na arte”, assegura.

“Os Homens de Pijama”, cujo título é inspirado no livro “O Menino do Pijama Listrado”, é seu terceiro trabalho como Dr. Hausen. Os outros são “Dr. Hausen & Mr. Guay in Concert e “Dai Graças”. Atualmente Hausenclever está preparando seu quarto álbum, que será fundamentado no blues, tecendo uma conexão entre Os EUA e o Brasil, e contará com a colaboração de seu estimado parceiro Renato Moreira Mota. “Terminei recentemente dois blues. Queremos gravar 10 ou 12 músicas”, diz o compositor. “É um trabalho que demanda muita pesquisa e também inspiração, que vem com o tempo”.

Sobre o método de trabalho com Renato Mota, Hausenclever esclarece: “Eu gravo e mando para ele, que passa a trabalhar no estúdio as harmonias e os arranjos; depois a gente se encontra para a finalização da música. Somos dois perfeccionistas”, afirma. Em relação ao maestro, ele não guarda elogios. “Seu talento é tão grande quanto sua humildade: é um artista reconhecido e respeitado entre os músicos”, afirma. A parceria promete ser longa e frutífera.