top of page
  • Foto do escritorGuilherme Moro

Ludovico Einaudi se apresenta pela primeira vez no Brasil

O renomado compositor e pianista Ludovico Einaudi se apresenta pela primeira vez no Brasil. O artista italiano faz show no dia 17 de março noVivo Rio, no Rio de Janeiro, e no dia 19 de março no Vibra São Paulo, em São Paulo. Os fãs do músico vão poder contar com músicas de seu último álbum, “Underwater”, lançado em 2022, além de sucessos de sua carreira.



A venda para o público geral começa no dia 20 de janeiro a partir das 10h online e 12h na bilheteria oficial. Os ingressos, que podem ser adquiridos em até 3x sem juros, estarão disponíveis online e nas bilheterias oficiais (sem taxa de serviço|Jeunesse Arena - Rio de Janeiro; Estádio do Morumbi - São Paulo. A turnê no Brasil é uma realização da Live Nation Brasil.

“Underwater”, seu primeiro disco solo de piano em 20 anos, surgiu durante o lockdown, quando o músico italiano aproveitou o isolamento para escrever canções em sua forma mais pura e íntima: sozinho ao piano. O novo trabalho traz 12 temas para piano solo, todos compostos recentemente.

O álbum chega após um ano incrível para Einaudi, um ano em que as trilhas sonoras de “Nomadland” (vencedor do Oscar 2021 nas categorias melhor filme, melhor diretor e melhor atriz) e “Meu Pai” (Oscar de melhor roteiro e melhor ator principal ), ambos com faixas lançadas originalmente pelo compositor italiano em 2019, numa série de sete álbuns intitulada “Seven Days Walking”, tiveram grande repercussão.



Em 2021, Einaudi lançou “Cinema”, coletânea com seus temas utilizados em filmes e produções de TV, e a série de podcasts “Experience: The Ludovico Einaudi Story”, com a participação de atores e cineastas como Russell Crowe (“Gladiador”) , Chloé Zhao (“Nomadland”), Shane Meadows (“This is England”), Florian Zeller (“My Father”) e Éric Toledano (“Os Intocáveis”).

Sobre Ludovico O pianista e compositor Ludovico Einaudi nasceu em Turim em 23 de novembro de 1955. Talvez tenha sido sua mãe, uma pianista amadora, quem o apresentou pela primeira vez à música, plantando as sementes para o que viria a ser uma ilustre carreira.


Começou a estudar música no Conservatório de Turim e formou-se com Azio Corghi no Conservatório de Milão, depois estudou com Luciano Berio, tornando-se seu assistente, e com Karlheinz Stockhausen. Em 1982, seus talentos lhe renderam uma bolsa de estudos para o Tanglewood Music Festival, onde teve seu primeiro contato com o minimalismo americano.

Ele passou os anos seguintes compondo para balé, cinema e teatro, incluindo “Sul filo d'Orfeo” (1984), “Time out” (1988), “The Wild Man” (1991) e “Salgari” (1995), além de inúmeras peças para orquestra e conjunto, que foram executadas no La Scala de Milão, no Paris Ircam e no Lincoln Center, em Nova York.

Foi com “Le Onde” [The Waves] (1996), seu primeiro álbum solo, inspirado no romance de Virginia Woolf, que ele realmente chamou a atenção do mundo do piano, e construiu isso com seu próximo lançamento, “Eden Roc” ( 1999), em que tocou com um quinteto de cordas e mestre de duduk Djavan Gasparyan, e “I giorni” (2001), um ciclo de baladas para piano inspirado numa viagem ao Mali. A trilha sonora que escreveu em 2002 para o remake de “Doutor Jivago” triunfou no Festival de Cinema de Nova York, confirmando o crescente prestígio de suas trilhas sonoras: “Not of This World” (2000), “Light of My Eyes” (2001), “Strange Crime” (2004), “This is England”, filme (2004) e série de TV (2010), “Os Intocáveis” (2011), “Samba” (2014), “O adivinho das águas” (2015) e “ O terceiro assassinato” (2017). Ele começou a se apresentar em locais cada vez mais importantes. Os concertos ao vivo no La Scala de Milão, também gravados em disco, assim como os concertos especiais no Hangar Bicocca e no Royal Albert Hall, marcaram o coroamento da plena expressão artística. No seu próximo álbum de estúdio, “Una mattina”, editado em 2004, a música de Einaudi torna-se mais concentrada e introspectiva, enquanto no seguinte “Divenire” se expande, impulsionada pelas sonoridades da Royal Liverpool Philharmonic Orchestra. Ambos os discos, que já estavam no topo das paradas clássicas, também cruzaram as paradas pop, pela primeira vez. Ele foi o único músico clássico a tocar no primeiro festival do iTunes. Durante a extensa turnê mundial que se seguiu, ele nunca parou de escrever novas músicas. =

コメント


bottom of page