• Guilherme Moro

Lucas Vasconcellos e Mauro Santa Cecília revelam clipe “Minha Flor”

Depois de lançar no primeiro semestre uma colaboração inédita no EP “Lucas Vasconcellos e Mauro Santa Cecília”, os artistas ampliam as possibilidades estéticas de suas composições com o primeiro clipe. “Minha Flor” ganha uma nova perspectiva sob o olhar da diretora Marina Zabenzi, transformando a singeleza da letra em imagens em preto e branco. O clipe já está disponível no canal de Lucas Vasconcellos no YouTube, e o EP, nas principais plataformas de música.



A beleza das imagens de “Minha Flor” está nos detalhes. A observação de um cotidiano à primeira vista banal aparece na pele, na fluidez do mar, nas linhas retas das cidades, no balanço das folhas, na rigidez do concreto. Entre cenários urbanos e bucólicos, pessoas e animais, surge uma narrativa que casa com a letra da música, sobre entrega e encontro.


“Criar o clipe de ‘Minha Flor’ foi como trabalhar com costura. Passei um mês fazendo uma pesquisa de imagens, tanto no meu arquivo pessoal como na internet, a partir do que ia me inspirando a melodia, as pausas, a letra. Foi um processo inédito para mim, criar um roteiro que fosse vivo, mas sem sair para filmar, e depois lapidar e finalizar”, analisa a diretora.


O clipe carrega a identidade tão marcante no trabalho da artista multimídia Marina Zabenzi. Sua obra encara o efeito da mistura da presença humana com o ruído urbano, ao retratar a juventude, a adolescência e o envelhecimento das coisas e das pessoas. A artista lançou seu primeiro fotolivro, “ENTRE”, em 2021, selecionado pela Revista ZUM, do Instituto Moreira Salles, na Chamada de Fotolivros do Ano. Marina atua também em videoclipes e já trabalhou com artistas como Gilsons, Tom Veloso, Hiran e Majur. Seu trabalho foi destaque na Elle Brasil, Glamour Brasil, Vogue Brasil, Marie Claire Brasil e outros veículos.


O EP colaborativo lançado por Lucas e Mauro promoveu o encontro de duas gerações distintas da música carioca, em canções marcadas pela poética singela de seus autores. Nessa parceria, eles somam suas trajetórias e líricas potentes em um par de canções, iniciando a colaboração do cantor, compositor, multi instrumentista e produtor conhecido por sua trajetória solo e por projetos como Letuce e Legião Urbana e do compositor de canções icônicas como “Por Você”, do Barão Vermelho.


Crédito: Eva Maria

“Minha Flor” e “Um Bom Tempo A Mais Aqui” são faixas construídas a partir de quatro mãos, porém com participações pontuais que somam à delicadeza das canções. Lucas e Mauro assinam ambas as composições, interpretadas pelo vocal de Vasconcellos e com Júlio Santa Cecília assumindo sintetizadores e programações. Em “Minha Flor”, Paulo Emmery toca baixo, synth, guitarra e órgão, além de assinar produção musical e mixagem de ambas as gravações. Na sua essência, as composições mesclam as carreiras de dois nomes marcantes da música nacional, com atuações distintas e, ainda assim, complementares.


É mirando o futuro que Lucas Vasconcellos e Mauro Santa Cecília celebram sua amizade, sintonia poética e trajetória musical em duas canções onde transparecem a personalidade de seus autores. O EP une os artistas em um projeto único, inédito e que abre caminho para novas composições de uma parceria promissora.


Sobre Mauro e Lucas:

Mauro Santa Cecília é poeta e compositor. Vencedor do Prêmio Stanislaw Ponte Preta e autor de oito livros, entre poemas e romances, ele tem músicas gravadas por nomes como Barão Vermelho, Frejat, Hyldon, Blues Etílicos, Picassos Falsos e Sideral, entre outros. Gravou em 2014 um disco autoral, “Vou à Vila”, com versões de alguns dos seus sucessos e inéditas. Lançou em 2019 o álbum de samba “Hoje o dia raiou mais cedo”, com Agenor de Oliveira e Rogério Batalha, e com as participações especiais de Ney Matogrosso, Nelson Sargento, Moacyr Luz e Frejat. Nos últimos tempos tem composto com músicos diversos como Henrique Portugal, Sergio Serra, André Abujamra, Humberto Effe, Mauricio Barros, Milton Guedes e o parceiro mais constante, Frejat. Além disso, está escrevendo a biografia do ex-ator e ativista canábico Ricardo Petraglia.


Já Lucas Vasconcellos fundou, nos anos 2000, a banda Binario (2000-2008), com quem lançou quatro álbuns. De 2008 a 2016, se dedicou ao Letuce, resultando em três discos: “Plano de Fuga pra Cima dos Outros e de Mim” (2009), “Manja Perene” (2015) e “Estilhaça” (2016). Nessas duas décadas de música, trabalhou ao lado de artistas renomados como Dado Villa-Lobos, Rodrigo Amarante, Lucas Santtana, Marcelo Jeneci, Tiê, Alice Caymmi, entre outros, e compôs trilhas para cinema e TV, culminando no prêmio de Melhor Trilha Sonora Original no Festival de Gramado para o longa-metragem “Riscado” (2011). Mas foi ainda em 2014 que Lucas começou a lançar seus trabalhos solo. Vieram então os discos “Falo de Coração” (2014), “Adotar Cachorros” (2015), “Silenciosamente” (2016) e “Teoria da Terra Plena” (2021).

Posts recentes

Ver tudo