• Guilherme Moro

Francis Hime lança Estuário das Canções, álbum de temas instrumentais inéditos

Estuário das Canções é o nome do novo álbum do compositor, arranjador e maestro Francis Hime. O projeto, que chega às plataformas de streaming sexta-feira, dia 11 ( e ganhará versão em CD, em dezembro), reúne 12 temas instrumentais, selecionados a partir de um grupo inicial de 40 composições inéditas de Hime. É a volta do maestro ao estúdio, depois do projeto que celebrou seus 80 anos, em 2019.


“Montei o repertório final depois de gravar vários temas: busquei uma afinidade entre eles, caracterizada por uma certa tranquilidade e uma atmosfera ligada à natureza, refletida na maioria dos títulos”, conta Francis. O tema “Um rio” é um de seus favoritos. “Tarde macia” explora progressões harmônicas mais sofisticadas. “Bucólica”, como o nome sugere, conserva a atmosfera dos temas anteriores em ritmo de valsa, gênero muito presente na obra do maestro.

“Alvorada” mergulha em um universo mais ambicioso, que remete a construções sinfônicas: o álbum retoma o ritmo da valsa em “Itaipava”, inspirada na cidade Serrana do Rio de Janeiro, refúgio dos Hime. Na sequência, “Alameda” “dá a impressão de estarmos passeando por pequenos bosques, sem preocupações com tempo ou espaço, quase como caminhar pelo Jardim Botânico. E ‘Riachinho’ é uma espécie de prima-irmã de ‘Alameda’”, pontua Francis.



Décima faixa de Estuário das canções, “Manguezal”, cujo primeiro título foi "Canção para Michel Legrand", lança mão de uma linguagem mais jazzística, próxima ao estilo do compositor francês. Já “Estuário” oferece possibilidades rítmicas variadas.


Além da natureza, personagens fundamentais na trajetória de Francis Hime também foram homenageados: o violonista Raphael Rabello, o pianista e arranjador Luiz Eça e a cantora e compositora Olivia Hime. “‘Canção para Raphael Rabello é dedicada ao Raphael, amigo muito querido, que nos deixou tão cedo e de quem sinto tantas saudades. Raphael me incentivava muito a compor e foi para ele que escrevi o meu ‘Concerto para violão e orquestra’. Esta canção resultou do esboço de um tema que Raphael gostava muito”, conta Francis. “’Canção para Luiz Eça’, que fecha o disco, é uma homenagem a um dos maiores pianistas e arranjadores da música brasileira. O meu grande mestre. ‘Para Olivia’ é uma canção que, assim como todas que compus, é dedicada à minha amada, minha parceira de vida e de música”, finaliza.