top of page
  • Foto do escritorGuilherme Moro

Festival Turá celebra música brasileira com shows ecléticos, organização e ótima curadoria

No último final de semana, entre os dias 29 e 30 de junho, aconteceu o Festival Turá, no Parque do Ibirapuera, em São Paulo. O line-up contou com artistas de diferentes gêneros musicais, entre eles, Chitãozinho & Xororó, Zeca Baleiro, Chico César, Fresno, Nação Zumbi, Banda UÓ e muitos outros.


O Música Boa esteve no primeiro dia de festival e acompanhou os shows que fizeram parte da grade do sábado (29). O palco principal foi inaugurado com apresentação de Zeca Baleiro & Chico César, que conquistaram a plateia que chegou cedo com a apresentação do álbum "Ao Arrepio da Lei", projeto que gravaram juntos neste ano. O show foi marcado por hits dos dois repertórios, entre eles, "Mama Africa", "Telegrama", "Lenha" e outros.


Logo em seguida, a Banda UÓ empolgou o público presente com sua mistura de pop e tecnobrega. O grupo, que arriscou projeção nacional no início da década de 2010 com o álbum "Motel", retornou neste ano para uma turnê pontual, ainda sem a confirmação de ser uma volta definitiva.


O festival seguiu com grande show de Nação Zumbi celebrando os 30 anos de "Da Lama Ao Caos", com uma apresentação que mesclou os hits do grupo e experimentações do manguebeat, inclusive com homenagens a Chico Science.


Já ao anoitecer, a Fresno subiu ao palco para dar vida à turnê do álbum "Eu Nunca Fui Embora", que teve sua primeira parte lançada em março deste ano. A banda colocou em seu repertório músicas que não tocavam há algum tempo, como "Infinito", "Deixa o Tempo" e adicionou canções do último trabalho.


Pablo Vittar cantou três músicas ao lado do grupo, duas de seu repertório (Disk Me e K.O) e Eu te amo/Eu te Odeio (IÔ-IÔ), parceria da banda e da cantora no mais recente álbum da Fresno.


Encerrando o primeiro dia de atrações do Festival Turá, Chitãozinho & Xororó fizeram show que misturou o sertanejo com uma série de diferente estilos musicais, passeando pela música romântica, rock, country e até mesmo pelo rap na faixa "Vida Marvada".


A dupla mostrou versatilidade e jogo de cintura ao se apresentar para um público tão diverso. Em nenhum momento houve resistência. Músicas emblemáticas como "Nuvem de Lágrimas", "Fio de Cabelo", "Página de Amigos", "Alô" e "Evidências", dividiram espaço com clássicos sertanejos como "60 Dias Apaixonado" e "Saudades da Minha Terra", além algumas músicas do lado B dos irmãos como "Confidências" e "Página Virada".


O público foi ao delírio quando Lucas Silveira, vocalista da Fresno, retornou ao palco para cantar "Brincar de Ser Feliz" durante o show da dupla, para relembrar a parceria da banda com os irmãos no Estúdio Coca-Cola Zero, exibido pela MTV em 2008.


O Festival Turá é um evento que tem a identidade da música brasileira. Versátil como poucos, a curadoria acertou em misturar o popular com o considerado sofisticado, principalmente quando analisamos as atrações do segundo dia, que contou com Alcione, Djavan, Armandinho e outros.


Em qualquer ponto do festival, era possível enxergar o palco com clareza, ótimo para aqueles espectadores que não gostam de ficar no meio de muitas pessoas durante um show ao vivo.


Feito em um ambiente familiar para o paulistano e com capacidade menor do que outros festivais, o Turá ofereceu ótimas experiências: musicais, gastronômicas e também com ótimas ativações de marcas presentes no recinto.





Comments


bottom of page