• Guilherme Moro

Festival Ethno Brazil 2022 une vozes, instrumentos e cantos de diversos países em noite no Municipal

Rara oportunidade de vivenciar o encontro de diversos músicos entre 18 e 30 anos dos mais variados países do mundo tocando, juntos, obras de seu cancioneiro popular reunindo instrumentos pouco conhecidos do público brasileiro, como buzuq (Palestina) e bendir (Argélia), o festival Ethno Brazil 2022 chega a mais uma edição realizada pela Sustenidos Organização Social de Cultura. Fruto de uma residência que promove um intercâmbio entre os músicos, o processo é encerrado, celebrado e apresentado ao público na cidade de São Paulo no dia 12 de agosto, às 20 horas, com entrada gratuita.



O festival integra o Ethno World, maior festival internacional de música tradicional/folk para jovens músicos, e tem a missão de promover atividades voltadas à preservação dos valores e referências culturais. O Ethno é promovido em outros 25 países, e foi criado há 30 anos, pela JMI -- Jeunesses Musicales International. Sua última edição aconteceu em 2019 e esse ano conta mais uma vez com a batuta do percussionista indiano Suchet Malhotra ao lado do acordeonista brasileiro Gabriel Levy.

O festival se inicia com uma imersão cultural na Fazenda da Serrinha, em Bragança Paulista/SP, seguido de concertos didáticos realizados por seus participantes no Teatro Carlos Gomes, em Bragança Paulista, no dia 10 de agosto, e no Teatro Procópio Ferreira, no Conservatório de Tatuí, no dia 11 de agosto, às 17h. Ao longo da semana, os músicos ensinam e aprendem o repertório do cancioneiro popular e tradicional de cada um dos diferentes países dos quais cada um deles vem. Ao final, as obras são apresentadas para o público paulistano na noite da sexta-feira num repertório que abarca pérolas do cancioneiro de países tão diversos quanto Chile, Moçambique e Grécia, entre outros.

Em seu terceiro ano no Brasil, o festival é realizado por meio da parceria internacional estabelecida entre a JMI e a Sustenidos Organização Social de Cultura. Em 2019, o Ethno Brazil reuniu 28 músicos da mesma faixa etária, de 13 países: Espanha, Portugal, Chile, Grécia, França, Argélia, Moçambique, Argentina, Colômbia, Guiné, Índia, Bélgica e Chipre, além do Brasil. O encerramento foi feito com um espetáculo memorável no Auditório Ibirapuera.



No Brasil, os objetivos do Ethno são preservar a cultura tradicional por meio do diálogo intercultural; facilitar a mobilidade de jovens músicos e talentos emergentes, localmente e no exterior; criar oportunidades iguais para músicos de todos os gêneros; celebrar jovens talentos em um ambiente inclusivo, propiciando experiência em condições profissionais; e construir a confiança dos jovens na promoção de seu desenvolvimento musical e criativo em um local democrático para criação e performance.

PARTICIPANTES ETHNO BRAZIL 2022

- Adam Nicolás Bustios Jara (acordeón) -- Chile

- Aníbal da Costa Celestino (guitarra) -- Moçambique

- Cristóbal Cerda (percussão) -- Chile

- Daniel Romero Alfaro de Miranda, mentor júnior (percussão) -- São Paulo/Brasil

- Daroon Rwnd Othman (teclado / alaúde) -- Iraque

- Ester Moseis Macuacua (voz) -- Moçambique

- Fernanda Monserrat Soto Valdivia (violino) -- Chile

- Iago Tojal Araújo (voz/baixo/guitarra/pífano) -- Campinas/Brasil

- Igor Santos de Jesus Santos (guitarra/berimbau) -- Bahia/Brasil

- Juliana Saemi Murakami (taiko/shinobue) -- Paraná/Brasil

- Kayk Isaque da Silva Ferreira (percussão) -- Maranhão/ Brasil

- Kesia Pessoa Cordeiro (clarinete) -- São Paulo/Brasil

- Leandro Alexandre Venâncio de Almeida (voz/acordeon) -- Campinas/Brasil

- Leonardo Venancio Cappi (baixo) -- Bahia/Brasil

- Louise Calzada, mentora júnior (voz, cavaquinho) -- França

- Luana Paula Carvalho Duarte (percussão) -- Piracicaba/Brasil

- Luca D Alessandro (violoncelo) -- Campinas/Brasil

- Meliely Francine Sousa (violoncelo) -- Bebedouro/Brasil

- Michael Yuri Saito de Camargo (percussão) -- Santo André/Brasil

- Romain Valentino, mobilitity (voz/violão) -- França/Itália

- Saheb Sara (voz/bendir) -- Argélia

- Sara Liliana Tavera Mariño (voz, güiro, chapchas/maracas) -- Colômbia

- Tainara da Silva (voz) -- Bahia/Brasil

- Thayná Aline Bonacorsi Xavier (voz) -- Araraquara/Brasil

- Vinícius Sano de Araújo (flauta) -- São Paulo/Brasil

- Yousef Muzahem Saif (buzuq) - Palestina