top of page
  • Foto do escritorGuilherme Moro

Entrevista: Patricia Marx e Wado se unem em álbum ousado e sucinto

Projetos grandiosos começam de forma despretenciosa: uma ideia, um pretexto, uma frase e até mesmo uma playlist. Uma lista de reprodução com pérolas da música brasilera foi a responsável por iniciar o encontro musical de Patricia Marx e Wado, dois artistas experientes, com carreiras sólidas que se uniram para fazer um projeto de resgate musical.



O resultado desta notável parceria é o álbum "MARXWADO", lançado pelo selo LAB 344 no último dia 3 de março. A obra conta com sete faixas que foram trazidas de forma experimental e com total desprendimento.


Se engana quem pensa que essa foi a primeira vez que foi a primeira vez que as duas vozes se uniram em um trabalho gravado em estúdio: em 2021 regravaram uma lindíssima versão de "Aquele Frevo Axé’, uma faixa de Caetaeno Veloso que não antingiu as paradas mas é aclamada pelos fãs. A química musical foi tanta que Patricia Marx criou a tão famosa playlist que originou o álbum.



“A ideia inicial veio depois de uma parceria que fiz em um álbum anterior do Wado. Eu achei muito incrível a mistura dos timbres e das vozes. A proposta do Wado, musicalmente, é muito interessante e moderna. Começamos a nos falar sobre um possível projeto em parceria e eu enviei uma playlist com algumas músicas antigas. Ele pegou essas faixas e transcreveu para uma linguagem mais atual. Topei o desafio de colocar a minha voz nessas canções. Eu sempre escolho trabalhos que agregam artisticamente. A partir disso, conseguimos transmitir às pessoas”, afirma Patricia.


“Fizemos um disco brasileiro e ficou lindo”, completa Wado.


Apesar de sucinta, a obra tem o suficiente para marcar o ouvinte e deixar um gosto de quero mais, mesclando as regravações com as inéditas escritas por Wado.


Entre as músicas selecionadas pela dupla, há “Minha Voz, Minha Vida” (1982) composição de Caetano Veloso apresentada ao Brasil como faixa-título de disco de Gal Costa, com arranjo que evoca sutilmente o funk brasileiro. Outra faixa do álbum é a abordagem do samba “Me Deixa em Paz” (Monsueto Menezes e Airton Amorim, 1951), na cadência sincopada do samba-rock.



Parcerias de Wado com Adriano Siri (“Melhor”, de 2007), Glauber Xavier (“Com a Ponta dos Dedos”, de 2011) e Fernando Coelho (a inédita “Bom Parto”) também integram a fina seleção de “MARXWADO”. Outra boa surpresa é o samba “Orvalho”, inédita de Wado com Zeca Baleiro e Vitor Peixoto.


“Assimilamos os pontos e fizemos as escolhas de forma pensada. Olhamos Gal, funk carioca e toda a estética criada pelo DJ Malboro na década de 90. Tinhamos instruções do que estávamos seguindo. Modéstia a parte, é um discaço. Estamos na torcida para que o disco reverbere. Ele está no caminho natural e logo começa a borbulhar. Queremos fazer shows com este projeto", diz Wado.



O cantautor Wado já lançou 12 álbuns de estúdio. Entre seus parceiros, estão nomes como Chico Cesar, Marcelo Camelo, Zeca Baleiro, MOMO. e Mallu Magalhães. Em 2005 fundou o grupo Fino Coletivo ao lado de Marcelo Frota (MOMO.) e Alvinho Cabral.


A cantora e compositora Patricia Marx tem 13 álbuns de estúdio e acumula milhões de streams nas plataformas digitais. Já foi indicada a vários prêmios da indústria e vendeu 3 milhões de discos, entre CDs e LPs, principalmente na década de 80, quando integrou a clássica banda mirim Trem da Alegria. Colaborou com Seu Jorge, Ed Motta, Tom Zé, Nelson Motta, Jair Oliveira e Marcos Valle, além de ter sido associada à Erykah Badu e Jill Scott pela revista DJMag.



Komentáře


bottom of page