• Guilherme Moro

Entrevista: Léo Rodrigues, do Ceano, celebra nova fase da banda com o álbum "Bonsenso"

Atualizado: 11 de nov.

Formada em 2014, a banda paulista Ceano mistura rock alternativo com uma pitada de MPB e emocore. Com influência de Maglore, Marina Sena e Céu, o grupo lançou nesta o álbum “Bonsenso”.



O terceiro disco da Ceano entrega sete canções sobre o amadurecimento nos tempos atuais, desejos e a busca pela felicidade. Novos elementos sonoros, de violões e violinos às programações e sintetizadores, foram incorporados na banda, e apontam para uma brasilidade antes adormecida e para onde o grupo pretende caminhar, agora, com mais firmeza


"O 'Bonsenso' foi o álbum que trabalhamos por mais tempo. Todo o processo durou cerca de três anos. Ele é um disco com um maior número de elementos, não só mais instrumentos, mas também programações eletrônicas, além de violões em quase todas as músicas, fazendo texturas ou sendo o instrumento principal. É uma nova roupagem", revela Leo Rodrigues, baixista do Ceano.


“A Pressa é Inimiga” é a música de trabalho escolhida pela banda. Rodrigues diz que a letra versa sobre os tropeços e reviravoltas da busca por um relacionamento e comentou sobre o processo criativo da obra.


"O processo de criação foi muito legal. Vários amigos participaram e isso tornou o projeto bastante colaborativo. Esse é um álbum sobre pontos de vistas e perspectivas. Quisemos definir isso na capa, com aquela pintura com vários padrões que mudam dependendo do ponto de visão. O resultado é muito gratificante", afirma.



O grupo foi criado em Campinas, cidade que fica próxima a São Paulo. Apesar de curta distância entre a cidade e a capital, eles sentem as dificuldades de ter um projeto autoral no interior.


"O interior sempre deu espaço para bandas covers e festas temáticas. Conseguimos circular bem pelas cidades interioranas, mas é bizarro o quanto isso é mais fácil em cidades como Rio e São Paulo. No entanto, existem muitos festivais no interior de São Paulo, com uma galera que está fazendo acontecer. Quando você vem do interior e precisa chegar em São Paulo, é muito mais difícil, porque você não conhece ninguém. É preciso dar a cara a tapa mesmo".


Foto: Vitor Dechem

Além do baixista Leonardo Rodrigues, a Ceano é composta por André Vinco (voz e guitarra), Rafael Lira (guitarra) e Arthur Balista (bateria).


"Nós somos uma banda que sempre cresceu e é muito legal olhar pra trás e ver isso. A pandemia deu uma baqueada, mas aos poucos vamos recuperando. A ideia é fazer muitos shows em 2023. Eu sempre acho que o melhor momento é sempre o próximo, até o momento que ele chega", finaliza.