• Guilherme Moro

Entrevista: Camargo fala sobre trajetória e carreira profissional

Werley José de Camargo é irmão da dupla Zezé Di Camargo & Luciano, pai da cantora Day, tio de Wanesa Camargo e segunda voz da dupla Cleiton & Camargo. São mais de 25 anos de carreira profissional, oito álbuns de estúdio, um DVD e diversas músicas eternizadas na história da música sertaneja. Em entrevista ao Blog Música Boa, ele falou sobre o novos trabalhos e fatos marcantes da carreira.



Blog Música Boa

Camargo, é um grande prazer falar com você! Gostaria de saber como começou o seu interesse pela música e quais as influências de seus pais e de Zezé Di Camargo & Luciano neste seu despertar musical.


Camargo

Fala, Guilherme! É um prazer estar falando contigo. Obrigado pela oportunidade. Cara, sem dúvida nenhuma acho que todo o interesse pela música veio através do meu pai e da minha mãe. Meu pai sempre foi um cara batalhador para que os filhos tivessem sucesso. Depois de Zezé Di Camargo & Luciano é que veio o interesse mais assíduo de montar uma dupla. Bem antes de Cleiton e Camargo tive uma dupla chamada Levis & Camargo, isso em 89/90. A dupla não deu certo e depois de algum tempo a gente começou um trabalho com Cleiton & Camargo, que deu esse resultado todo.

Blog Música Boa

Como você e o Cleiton se conheceram? Ele cantava rap anteriormente, não é?

Camargo

O Cleitinho tinha um grupo de rap chamado Megavox. Certa vez eu vi ele cantando em cima de um playback de Leandro & Leonardo e ele tinha uma voz muito boa. Ele era muito menino e tinha uma voz muito aguda. Na época, acho que ele não tinha nem 15 anos. Conversando com um amigo dele eu pedi: “Poxa, me apresenta esse cara”. Primeiramente ficamos amigos, eu frequentava a casa dele e tudo. Depois de um certo tempo eu convidei ele pra formar a dupla e ele topou. Fizemos alguns shows aqui em Goiânia e logo fomos para São Paulo gravar o nosso primeiro disco, graças à Deus.

Blog Música Boa

Já que você falou desse primeiro disco, gostaria que você comentasse sobre esse álbum que teve “Nuvem Passageira” como carro-chefe e tem outras canções lindíssimas.

Camargo

Fizemos esse CD por etapa, porque quando começamos a gravar ele, no meio do trabalho ficamos sem a grana pra terminar o disco. Conheci o Toninho em São Paulo, que na época virou nosso empresário e hoje nem está mais entre nós. Terminamos o disco e a primeira música de trabalho foi “Nuvem Passageira”. No nosso segundo CD, como já estávamos com gravadora e um investimento maior, a gente começou a gravar com César Augusto, que gravou todos os nossos CD’s. Foi aí que entramos na onda de gravar versões. “Quando Um Grande Amor Se Faz” foi a nossa primeira versão. Ela não iria nem entrar no álbum, nós gravamos por gravar. Quando lançamos ela, a música de trabalho deste segundo CD era “Outra Chance”. A gente foi fazer “pé na estrada” (visitar rádios e cidades para divulgar o trabalho) e “Outra Chance” estava tocando, mas “Quando Um Grande Amor Se Faz” foi sozinha. A gravadora quando viu isso começou a trabalhar “Quando Um Grande Amor Se Faz”.


Blog Música Boa

Você já passou por tantas fases do sertanejo e do mercado fonográfico em geral e sempre conseguiu se reinventar. Como você avalia a atual fase do gênero?

Camargo

Sempre estamos nos reinventando. Nós tínhamos um projeto de fazer um DVD, só com músicas do nosso repertório, mas infelizmente veio a pandemia e a gente deu uma segurada no projeto, porque não iria adiantar lançar um DVD sem colocar ele na estrada.

Blog Música Boa

Que demais! Como foi o processo de criação dos arranjos neste projeto?

Camargo

Eram músicas nossas com arranjos originais. Isso foi o público que cobrou da gente e em nossas lives nós só tocamos as músicas como foram feitas.

Blog Música Boa

A dupla teve um auge muito grande, na virada da década de 90 para os anos 2000. Como foi pra vocês, vivenciar e participar daquele momento? Devido a rotina de shows, houve algum desgaste?

Camargo

Pra nós sempre foi um prazer. Chegamos a fazer 20 shows por mês, era uma alegria imensa levar alegria para o nosso povo.

Blog Música Boa

A dupla teve um hiato, entre 2005 e 2013, ficando inativa por oito anos. Neste período você fez dupla com Marcelo De Lima (Marcelo De Lima & Camargo), que foi um projeto mais regional. Conte um pouco sobre essa fase da carreira.

Camargo

Nós tivemos essa pausa, eu montei essa dupla com o Marcelinho e durante esse tempo nós gravamos dois DVD’s. No primeiro tivemos participações de Zezé Di Camargo & Luciano e César Menotti & Fabiano e no segundo contamos com um público de mais de 30 mil pessoas, lá em Pará de Minas-MG. Depois de oito anos, Marcelinho quis voltar a cantar solo e cada um seguiu sua estrada. Hoje somos amigos e nos falamos por telefone.


Blog Música Boa

Cleiton & Camargo retornaram em grande estilo, gravando o DVD em homenagem à dupla Zezé Di Camargo & Luciano. Qual a importância dessa volta e deste projeto em específico?

Camargo

Pra gente foi uma honra gravar esse DVD em homenagem à eles. Se tem uma dupla que poderia fazer isso, com certeza seriamos nós, por toda a história.

Blog Música Boa

A família Camargo tem uma veia artística muito grande e a Day, sua filha, está aí para mostrar isso. Como você enxerga todo esse sucesso que ela está fazendo, não só como cantora, mas também como compositora?

Camargo

Sou até suspeito pra falar da Day, por ser pai dela. Graças a Deus ela é e sempre foi uma menina batalhadora e tudo que ela conquistou até hoje foi por puro mérito dela. Não teve nada de ser carregada ou por Zezé Di Camargo & Luciano ou por Cleiton & Camargo. Hoje ela está entre as dez top compositoras do Brasil, ao lado da Lara. Eu só tenho orgulho, não só dela, mas também de todos os meus filhos.


Blog Música Boa

Incrível! Agora me fala Camargo: esse ano ainda sai alguma música inédita de Cleiton & Camargo?

Camargo

Estamos ouvindo algumas canções para poder lançar. Precisamos nos reinventar, como te falei agora pouco. Com certeza vamos lançar uma música nova. Acredito que realizar shows só será possível após todos estarem vacinados, apesar de hoje nós temos diversos formatos de show. Até tudo voltar ao normal não vai ser fácil, mas em breve vamos nos encontrar pelos palcos da vida, se Deus quiser.