• Guilherme Moro

Com influências da fase Racional de Tim Maia novo single de saudade tem participação de Bibi Caetano

O balanço do soul brasileiro guia a sonoridade de “interação mente-matéria”, parceria inédita entre dois dos principais novos nomes do cenário indie nacional. saudade, projeto do cantor, compositor e multi instrumentista Saulo von Seehausen, recebe o vocal da indicada ao Grammy Latino Bibi Caetano para cantar sobre o poder da mente. O single chega às principais plataformas de música e serve como mais um gostinho do novo disco de saudade, “bem vindo, amanhecer”.


O novo trabalho marca um mergulho ainda mais profundo do artista em uma sonoridade brasileira e nostálgica, mesclando influências que vão de Mutantes a Tim Maia, do regionalismo do Clube da Esquina à polifonia da Tropicália, sempre com um viés moderno. O disco dialoga com o realismo esperançoso por uma vida pós-pandêmica, como comprovam o single de transição “vou-me embora de mim” e a primeira amostra do novo trabalho, a solar faixa-título “bem vindo, amanhecer”. Os títulos entregam, também, o fechamento de um ciclo anterior para abrir caminho para um novo.


Entre o dançante e o melancólico, saudade reflete sobre o cotidiano de uma forma poética. Não por acaso, o projeto foi nomeado pela palavra em Português sem paralelos em outras línguas, entregando sua conexão com ritmos da nossa música. Da bossa à psicodelia, saudade mescla a potência percussiva brasileira com elementos melódicos como o piano, e eletrônicos, como sintetizadores. O resultado é uma sonoridade única que já ganhou elogios de nomes como Guilherme Arantes e levou saudade por turnês nos EUA em 2018 e 2019. No ano seguinte, viria o primeiro disco, “jardim entre os ouvidos”.


Foto: Bruno Bade

Preparando o terreno para o segundo álbum, na nova faixa - composta a seis mãos, com Bibi e Felipe Vassão - surge a história de um casal que decide tentar controlar as ondas do mar com a força do pensamento após o uso de psicotrópicos em uma praia. Dessa viagem metafísica, eles aprofundam por um conceito científico, embalado por um arranjo dançante. Saulo e Bibi dialogam sobre um cenário idílico e praiano - não fossem pelas possibilidade de mudar o mundo ao redor usando apenas a força do pensamento.


A ideia é baseada no conceito da psicocinesia - de forma resumida, a capacidade de mover objetos com o poder da mente. Essa teoria da psicologia anomalística, conhecida justamente como “interação mente-matéria”, ganhou força nos anos 30 e se tornou um dos objetos de estudo de saudade, que trouxe para a letra mais esse elemento autobiográfico, como é comum nas suas composições.


“É uma metáfora interessante para a nossa capacidade de mudar as coisas ao nosso redor quando a gente realmente se concentra para isso”, explica o artista, acompanhado pelo baterista Bruno Bade (Brunoutz), o baixista Leandro Bronze e o guitarrista Renan Vasconcellos (Dramón). Além deles, aparecem na gravação o já citado Felipe Vassão (guitarra, programações e sintetizadores), Felipe Duriez (guitarra), Pedro Serapicos (violão), Jorge Amorim (percussão) e os saxofones de Breno Morais e Marcel Enderle.


Esse time de peso deu forma às referências para “interação mente-matéria”. “É um lugar tropical e praiano, com um tema muito brasileiro, mas com arranjos mais polidos e contemporâneos. A parceria com a Bibi ajudou muito a chegar nesse resultado porque é onde nós dois nos conectamos”, afirma saudade, que em abril apresentou com sucesso a canção em suas participações no festival Rock the Mountain, em Petrópolis.


O álnum “bem vindo, amanhecer”, que chega às plataformas no próximo mês e é possível conferir os singles já revelados, disponíveis em todos os principais serviços de streaming.