top of page
  • Foto do escritorGuilherme Moro

Carminho, cantora de jazz portuguesa faz turnê de novo disco em cinco cidades brasileiras

O novo álbum de Carminho, Portuguesa, fala sobre a identidade tanto do fado quanto da própria artista. A escolha do título resume a forma como a cantora olha para a poesia, para a palavra, para a língua portuguesa, como ela se percebe enquanto mulher, enquanto artista e, consequentemente, deságua na forma como lida e se doa ao fado. É nessa busca pelas palavras, pelas pessoas e por si mesma, que ela continua a praticá-lo diariamente.



Não por acaso, a primeira música, “O quarto (fado pagem)”, composição de Alfredo Marceneiro com letra da artista, representa essa busca por suas raízes e pelas origens do fado, estilo musical escolhido por Carminho, ou que a escolheu, ainda na infância. Com apenas 12 anos, Carminho cantou pela primeira vez no palco do Coliseu dos Recreios, em Lisboa, e ali descobriu pertencer ao fado. “Os meus amigos não entendiam por qual motivo eu cantava fado, mas foi graças a ele que pude criar uma identidade, onde fui ganhando confiança e assumindo quem eu sou”, conta a cantora. Dessa construção contínua, que envolve o velho e o novo, o tradicional e o contemporâneo, foi criado Portuguesa, sexto disco da fadista que está em turnê mundial, e aporta em águas brasileiras dia 26 de agosto, passando por cinco cidades: São Paulo, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Ilhabela. O primeiro show da turnê, na Sala São Paulo, contará com os acordes sinfônicos da Orquestra Jazz Sinfônica e participação do cantor Silva.

Essa identidade que permeia suas músicas atravessa fronteiras geográficas e familiares. Filha da conceituada fadista Teresa Siqueira, Carminho nasceu no meio das guitarras e das vozes do fado, e ao longo da vida criou uma profunda relação com a música brasileira, que já lhe rendeu grandes amizades e parcerias com nomes como Chico Buarque, Caetano Veloso, Marisa Monte, Milton Nascimento, um álbum inteiro cantando Tom Jobim. “Algumas das minhas maiores referências são sem dúvida a minha mãe, as também fadistas Beatriz da Conceição e Amália Rodrigues, mas também outros artistas fora do fado como Tom Jobim, Vinicius de Moraes, Caetano Veloso, Chico Buarque, Lou Reed, Leonard Cohen, os Beatles e Queen, comenta.



Carminho veio ao Brasil pela primeira vez aos 19 anos, e desde então vem criando uma relação de pertencimento com o país, com o povo e com a língua, que lhe é comum. “Cantar no Brasil para mim é cantar em casa, eu sinto-me em casa, sinto-me recebida. Tenho muitos amigos, tenho lugares onde vou porque já são meus de alguma maneira, também fazem parte da minha rotina e isso faz com que nós consigamos construir um universo nosso, onde não nos sentimos só visitantes, sentimo-nos parte. E é isso que eu sinto porque a língua nos abraça. Mas sobretudo porque tenho um olhar curioso e apaixonado pelo fado e por aquilo que tem acontecido com os meus concertos nas várias cidades por onde tenho passado. Fico muito orgulhosa e feliz.”


Mais recentemente, a fadista fez, em parceria com Marcelo Camelo, a música “Levo o meu barco no mar”, para o disco Portuguesa. “Marcelo Camelo é um dos compositores da língua portuguesa que eu mais admiro e que tive o privilégio de poder partilhar vários momentos de composição e de procura por uma canção. Na verdade, esta canção foi ele quem me enviou, porque sentiu que seria para mim. A construção do repertório tem a ver também com o gosto, com a linguagem, com o imaginário, não necessariamente precisa ser um fado tradicional na sua estrutura mais técnica. Há muitas canções que são fados reais, e para mim esta é um grande fado, não só pela forma como foi produzida, mas sobretudo pela essência que ela já tinha. Essência de superação e de persistência”, define a cantora.

Comentários


bottom of page