• Guilherme Moro

Carlinhos Brown lança disco de rock ao lado da banda Mar Revolto

Conhecido por propagar a música baiana pelos quatro cantos do mundo, o cantor, compositor e multi-instrumentista Carlinhos Brown vai caminhar pelos acordes do rock. Gênero que sempre fez parte das influências da carreira do artista, o estilo musical é o tema de seu novo álbum - `Carlinhos Brown É Mar Revolto’ - que será lançado no próximo dia 04/11 ao lado dos integrantes do Mar Revolto (Geo Benjamin, Raul Carlos Gomes e Otávio Américo), grupo baiano de rock no qual o artista iniciou sua carreira no final dos anos 70, início dos anos 80.



Com 11 músicas, o trabalho inédito conta com participações especiais como Rita Lee, Rafael Bittencourt, guitarrista do Angra, Bruno Valverde, baterista do Angra e Tarja Turunen, que foi vocalista da banda finlandesa Nightwish. Miguel (MIGGA) também marca presença no álbum com a sua primeira gravação em estúdio, aos 10 anos. O lançamento será feito pelo selo de Brown Candyall Music, com exclusividade em Dolby Atmos na Apple Music e o pré-add já está disponível aqui .

Gravado originalmente em 2007, o disco revela a proximidade de Brown com o estilo musical que faz parte da trajetória do cantor e é o pontapé inicial de uma trilogia para celebrar os seus 60 anos, comemorado em novembro. Ao longo do ano em que completa mais uma década, Brown ainda vai lançar mais dois álbuns com inéditas - um apenas com músicas instrumentais e outro de carnaval.

‘Comecei a tocar rock no final dos anos 70 nos chamados bandas de baile, em Salvador. Eram bandas que organizavam os repertórios e como eu tinha facilidade para pegar as percussões apenas de ouvido, comecei, de forma muito iniciante, em bandas Monjes, Oliveira e Califórnia. Mas foi em uma banda chamada Torna Sol que eu fiz o encontro mais definitivo com o rock’, explica Brown. Ele continua e reforça a importância de Moraes Moreira e A Cor do Som - ‘Eles foram fundamentais para impulsionar percussionistas em bandas roqueiras e foi em uma dessas oportunidades que fui convidado a integrar a percussão da banda Mar Revolto em participações no trio elétrico. Infelizmente, por questões financeiras na época, não consegui participar da gravação em estúdio com eles, mas o mais importante é que nunca deixei o rock’, conclui.

Ao longo da carreira Brown teve diferentes encontros com o rock. Participou do álbum ‘The Roots’, do Sepultura, principalmente na faixa de sua autoria ‘Ratamahatta’, foi convidado para produzir o álbum do Scorpions, para tocar com o Living Colour e com o guitarrista americano Steve Vai, inclusive, deu o nome a sua filha Nina em homenagem a Nina Hagen. Brown também inovou no Carnaval de Salvador em 2016, quando levou Angra e Sepultura para a festa e batizou seu camarote andante de Black Rock. O rock ainda deu a ele a oportunidade de se aproximar de Caetano Veloso, após um primeiro encontro com os Paralamas do Sucesso, com Djavan, com quem também já trabalhou e com os músicos do Titãs. Mais recentemente, Brown participou do DVD do Capital Inicial, que será lançado este mês.



Agora, 15 anos depois de gravado, ‘Carlinhos Brown É Mar Revolto’ é o resultado de um convite, feito por Brown para que os integrantes da banda participassem de um dos seus álbuns. Mas, segundo o cantor, `estava tão bom que a gente começou a tocar, tocar e falamos ‘vamos gravar alguma coisa sem compromisso?’ e foi assim. Foi feito com leveza, esperamos o momento certo`. Carlinhos Brown assina 10, das 11 músicas do disco - a exceção é para `É`, de Gilberto Gil - , a maioria em parceria com compositores como Raul Carlos Gomes, Silvio Pereira, Geo Benjamim, Otávio Américo, Raquel Jacobs, Arnaldo Antunes e Michael Sullivan. Outro destaque do álbum é a primeira participação de seu filho MIGGA em uma gravação em estúdio. Aos 10 anos na época ( 2007), ele tocou escaleta na faixa Travelling. Em 2018, ao retornar para as gravações, MIGGA é responsável pela bateria em cinco faixas do lançamento.

As participações especiais são um destaque a parte do lançamento. Rita Lee faz um feat com Brown, que também assina a percussão de ‘Menininha Tão Novinha’, terceira faixa do álbum. A canção de ritmo intenso e dançante fala sobre uma menina, que agora cresceu e está “saidinha”. Já o trio de músicos convidados Rafael Bittencourt, Tarja Turunen e Bruno Valverde divide a faixa ‘Desertificação’. Com uma pegada bem mais rock n´roll, a música inclui batidas típicas do gênero que se misturam a um ritmo de xaxado.

A faixa que abre o álbum é ‘Ilha de Itaparica’. Com a potência vocal de Brown, a música apresenta a intenção do disco, de homenagear um gênero que o público não está acostumado a ouvir na voz do cantor. ‘Marina dos Mares’ é como uma balada saborosa para ser escutada, com um clima leve remete à praia e à brisa do mar, fazendo um contraponto com o título do lançamento. Já a faixa ‘Tô aqui na Marginal’ dá continuidade ao fio condutor de um ritmo dançante e ao mesmo tempo propício para ser ouvida em um momento de descontração.

A faixa ‘É’ traz a inspiração de Gilberto Gil com a presença, bastante destacada do instrumental, da voz de Brown. A letra que fala sobre sonhos e realidade também faz questionamentos e provoca reflexões. ‘Peça a Deus que Lhe Dou’ conta com Brown no vocal e também no timbau. Com presença forte de referências roqueiras como a bateria, faz uma crítica social e fala sobre o amor. Já ‘Emotionave’ traz a assinatura de Arnaldo Antunes, antigo parceiro de Brown, e de Raquel Jacobs. A letra conta um pouco sobre uma história de amor, enquanto promete chamar atenção dos fãs de rock.

As últimas faixas completam a lista. ‘Travelling’ tem uma pegada mais lenta, e segue como uma poesia que fala sobre o “amor travelling”. Já ‘A Gente ainda Não Sonhou’, única regravação do álbum, faz um convite ao recomeço e ressalta que o amor é a solução. Também com característica mais lenta e relaxante. Por fim, ‘Surfando Para a Eternidade’ finaliza o lançamento e é um presente para o público. Com quase três minutos de instrumental, Brown recita uma poesia emocionante.