top of page
  • Foto do escritorGuilherme Moro

Bruce Dickinson vai interpretar clássicos do Deep Purple em turnê no Brasil

Compositor, pianista e organista, o inglês Jon Lord é aclamado como um dos mais importantes nomes da história do rock. Além de ter passado por bandas como o Whitesnake, ele fundou e integrou durante mais de duas décadas o Deep Purple, e deixou uma carreira extensa: foram 12 álbuns solos, 19 álbuns com o Deep Purple e seis álbuns com o Whitesnake.




Seu canto de cisne, o “Concerto for Group and Orchestra”, transformou-se em uma das mais aplaudidas turnês do Purple, e continuou a ser apresentado por ele, ao lado das mais renomadas orquestras, depois de sua saída da banda em 2002. Após a morte de Lord, em 2012, o “concerto” esperaria sete anos para voltar aos palcos, em 2019, no Canadá, e depois em 2021, na Hungria.


Em 2023, 54 anos após sua estreia nos palcos, o “Concerto” e os maiores sucessos de Lord com o Deep Purple estão de volta para uma turnê por quatro cidades brasileiras. Em sua passagem pelo país, será apresentado por Bruce Dickinson (Iron Maiden) nos vocais, que volta ao país especialmente para o show e que comanda uma banda formada por John O’Hara (Jethro Tull) nos teclados, Kaitner Z Doka (Jon Lord, Ian Paice) na guitarra, Bernard Welz (Jon Lord, Don Airey) na bateria e Mario Argandonia (Scorpions) na percussão.



Além deles, o show terá no palco uma orquestra sinfônica de mais de 80 instrumentistas, montada especialmente para a ocasião com integrantes da OSESP (Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo) e de algumas das principais sinfônicas do país. Ela será conduzida por Paul Mann, que já participou de dezenas de apresentações do concerto, incluindo a histórica performance de 1999 no Royal Albert Hall.


No Brasil os shows acontecerão em São Paulo, no dia 15 de abril, no Vibra; em Curitiba, no dia 19 de abril, no Teatro Positivo; no Rio de Janeiro, dia 21 de abril, no Vivo Rio; e em Porto Alegre, no dia 25 de abril, no Araújo Vianna. Os ingressos estarão à venda a partir do dia 06 de setembro (ver serviço completo abaixo).


Além do concerto o show apresentará ainda alguns dos principais sucessos do Deep Purple. A turnê brasileira do “Concerto for Group and Orchestra” é uma realização da MCA Concerts.





O Concerto


“Concerto for Group and Orchestra” surgiu como um álbum ao vivo do Deep Purple, com a participação da Royal Philharmonic Orchestra, dirigido por Malcolm Arnold e gravado no Royal Albert Hall de Londres, em setembro de 1969. Composto por Jon Lord, com algumas poucas letras escritas por Ian Gillan, é o primeiro álbum completo a apresentar Ian Gillan nos vocais e Roger Glover no baixo. Foi lançado em vinil em dezembro de 1969. A apresentação foi uma das primeiras combinações de rock com uma orquestra completa.


Dividida em três movimentos, a partitura original do concerto foi perdida em 1970, e foi recriada em 1999. Em 25 e 26 de setembro deste ano, trinta anos após sua apresentação inicial, o “Concerto” foi novamente apresentado ao vivo no Royal Albert Hall. Para tornar essa performance possível, uma nova partitura foi criada por Lord com a ajuda de Paul Mann e Marco de Goeij, ouvindo a gravação e assistindo ao vídeo da performance de 1969. Encorajado pelo sucesso das apresentações de 1999, o Deep Purple levou o “Concerto” em turnê, primeiro apresentando-o na América do Sul com orquestras locais, depois na Europa com a George Enescu Philharmonic Orchestra, e no Japão com a New Japan Philharmonic Orchestra, todas conduzidas por Paul Mann.



Em 24 de setembro de 2009, Jon Lord juntou-se à RTE Concert Orchestra no National Concert Hall, em Dublin, na Irlanda para comemorar o 40º aniversário da primeira apresentação do Concerto. Também foram apresentadas peças da carreira solo de Jon Lord e várias músicas do Deep Purple.


Em outubro de 2012, foi lançada uma versão de estúdio do “Concerto”. A gravação apresenta a Royal Liverpool Philharmonic Orchestra conduzida por Paul Mann. Os solistas são Jon Lord no orgão, Darin Vasilev, Joe Bonamassa, Steve Morse na guitarra, Steve Balsamo, Kasia Łaska e Bruce Dickinson no vocal, Brett Morgan na bateria e Guy Pratt no baixo. O disco foi mixado no Abbey Road Studios no final de maio de 2012 e de acordo com Paul Mann, Jon Lord ouviu a master final da gravação alguns dias antes de sua morte em 16 de julho de 2012.


Sobre a gravação Lord afirmou: "Ao longo destes últimos anos, desde que deixei o Deep Purple, eu toquei mais de 30 vezes com orquestras e maestros diferentes em todo o mundo, e, claro, eu fiz isso bem mais de 30 vezes com o Purple na turnê Concerto, de modo que fui aprimorando a peça ao vivo no palco e tive a oportunidade de mudar as coisas na pontuação que não estavam soando muito bem. É, portanto, uma perspectiva maravilhosa e emocionante ter a gravação definitiva da versão definitiva da partitura".

Comments


bottom of page