• Guilherme Moro

Banda Gente lança música “Rainha do Fogo”, com história de mulher que se levanta contra tirania

Um conto, um mito, uma mulher, uma força.


“Rainha do Fogo”, nova música da Banda Gente, com participação da cantora Luciane Dom, traz história e suingue, mistério e latinidade, poder e afro-brasilidade. Não há como se omitir do refrão


“Lá vai a rainha do fogo


Que pôs o seu rei de joelho pela chama


Lá vai a rainha do fogo


As cinzas serão testemunhas de sua fama.”



O novo single, a ser lançado dia 28 de janeiro, arrepia quem ouve e quem toca. Conduzido pela eclética guitarra de Wallace Cruz, o som que mistura salsa, samba, rock e música afro invoca uma força desconhecida; reverencia uma deusa que deixou seu rastro, mas que não se sabe sua imagem.


Wallace conta de onde saiu a história: “A música faz parte de uma trilogia que narra a vingança de uma mulher simples que amava sua cidade e cuidava das lamparinas que a iluminavam. Apaixonada pelo fogo com sua piromania, se sentiu desalmada quando um rei tirano a cidade incendiou; para se vingar, ela seduz o rei, põe fogo em seu castelo e parte andarilha, com sua navalha e flor no cabelo para reconstruir sua vida”.


Interpretada pelas fortes e emblemáticas mulheres Iolly Amâncio, vocalista da Banda Gente, e Luciane Dom, importante cantora da nova geração da MPB, “Rainha do Fogo” se apoia na revolução feminina. Elas que, ao longo dos anos, vêm enfrentando desafios dos mais diversos, hoje aprofundados por um governo obscurantista e uma sociedade tão carregada de machismo e misoginia.


“Se eles vêm com fogo e suas inquisições, nossas mulheres rainhas com fogo queimarão todo império retrógrado. Pelas chamas não passarão!”, proclama Iolly.


Banda Gente – Foto: Divulgação / Leandro Padawan

SHOW NO CIRCO VOADOR - DIA 04 DE FEVEREIRO


O single é o primeiro lançamento da Banda Gente em 2022 mirando a retomada de shows pelo Brasil. A primeira apresentação do ano é mais que especial: É um marco. A Banda Gente será a atração de abertura do show da LETRUX no Circo Voador, dia 4 de fevereiro. “Subir nesse palco icônico é nos sentir fazendo parte da história do Rio. Será o momento de multiplicar uma energia nova e viva com a galera. Estamos preparando um show vibrante pra descarregar toda tensão acumulada nesses dois anos longe da plateia”, conta Iolly Amâncio.


A cantora e Letícia Novaes, a Letrux, se conheceram pessoalmente em 2019 através do projeto ASA (Arte Sônica Amplificada, do Oi Futuro + British Council), que une mulheres da música e do som. Trocaram ideias, e-mails, composições, gravaram duas músicas juntas (uma delas é a releitura de “Preta, Pretinha” no álbum-homenagem Replay Clássicos: Acabou Chorare, da Som Livre) e, desde então, elas mantêm uma relação de admiração e criatividade. “Mais do que uma artista, conheci uma humana inspiradora. Partilhamos uma afinidade muito gostosa e, com tanta energia e afeto, o show não pode ser menos que emocionante!”, sugere Iolly. “A Letrux nos traz força. O show será cheio de vitalidade e ainda terá uma surpresa inesquecível que vocês verão só no dia. Vamos lá!”, aguça ela.