top of page
  • Foto do escritorGabriel Quesada

5 linhas de baixo incríveis feitas por Paul McCartney

Há sessenta anos na estrada, o ex-Beatle Paul McCartney provou que consegue mandar bem com qualquer instrumento. Como um dos músicos mais completos do mundo, o britânico já se apresentou sentado no piano, dedilhando o violão, solando com a guitarra e até tocando gaita. Mas quando falamos de Paul McCartney, a primeira coisa que vem à nossa cabeça é o seu pequeno Yamaha BB-1200, o baixo marrom e branco com o qual deu vida a centenas de sucessos, por várias e várias gerações.


Paul McCartney também ficou conhecido pelo seu contrabaixo Hofner 500/1 (Foto por: The Irish News)

Abaixo, cinco grandes linhas de baixo do músico que é unanimidade no instrumento:


5. Oh! Darling

Artisticamente falando, os Beatles viviam o seu melhor momento quando o Abbey

Road (1969) começou a ser produzido. Após três anos longe dos palcos, o

conhecimento adquirido pelos quatro dentro do estúdio promoveu uma série de

faixas impecáveis. Magnífica por completo, o destaque de Oh! Darling é todo dele,

Paul McCartney, que além de entregar um refrão muito afinado como vocalista,

conduz a canção de amor perfeitamente com uma potente linha de baixo.



4. Something

Ainda no Abbey Road (1969), o baixo de Paul encaixa perfeitamente com a

melódica Something, uma das canções mais famosas do Quarteto de Liverpool,

conduzindo com maestria o sentimentalismo presente na guitarra e

na voz de George Harrison.



3. Band On The Run

Em Band On The Run (1973), Paul McCartney é uma verdadeira estrela. Após três

anos do fim dos Beatles, o baixista entrega um álbum musicalmente muito maduro

com os Wings, banda que formou ao lado da esposa, Linda McCartney, e o que não

faltam são grandes sucessos. Na canção que leva o nome do disco, o ritmo,

ora mais acelerado, ora mais sossegado, é todo determinado pelo baixo de Paul,

que passeia com muita personalidade pelo restante dos instrumentos.



2. Lady Madonna

A empolgada Lady Madonna, single de 1968 do quarteto, deve muito à excelência

com que Paul McCartney entrega a linha de baixo, não tão simples assim. Para

acompanhar o ritmo da música, o baixista faz uso de recursos complexos do

instrumento, e o resultado é grandioso.



1. Silly Love Songs

É em Wings At The Speed Of Sound (1976) que Paul entrega umas das canções

mais bonitas da sua carreira: Silly Love Songs. A balada de amor dos Wings deve

tudo às linhas do baixista, que soam como o par perfeito para a belíssima melodia

dos saxofones e criam uma atmosfera de romance por sua essência.




Comments


bottom of page